Motorista embriagado vai a júri em Sorocaba

Em 2006, Rafael Penha Guazelli atropelou e matou promotora de eventos Fabiana Cardoso Guimarães

José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo

30 Março 2010 | 17h36

O Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo decidiu mandar a júri popular o representante comercial Rafael Penha Guazelli, que em 2006 atropelou e matou a promotora de eventos Fabiana Cardoso Guimarães, na região central de Sorocaba. Inquérito da Polícia Civil apurou que ele dirigia embriagado e fugiu sem prestar socorro à vítima.

 

O TJ acatou a tese da justiça de Sorocaba, de que o representante comercial cometeu homicídio doloso (intencional), por estar em alta velocidade e sob o efeito de álcool. Segundo o inquérito, o exame toxicológico revelou que ele tinha 1,1 decigrama de álcool no sangue, quase o dobro do máximo tolerado. Ele pode ser condenado a uma pena mínima de 12 anos de prisão.

 

A defesa de Guazelli vai entrar com recurso na tentativa de desclassificar o crime para homicídio culposo (sem intenção). Nesse caso, o acusado não iria a júri, sendo julgado pelo juiz, e a pena mínima, em caso de condenação, cairia para seis anos de detenção, com possibilidade de regime semi-aberto. A data do júri depende do julgamento do recurso.

 

Fabiana foi atropelada na madrugada de 16 de dezembro, quando saía de um restaurante, na companhia de familiares. A jovem foi atirada para o alto e caiu sobre o capô do carro. Mesmo assim, o motorista acelerou e deixou o local. Irmãos e amigos da vítima presenciaram o atropelamento. Guazelli foi preso por policiais militares logo após a fuga, mas pagou fiança de R$ 700 e não ficou na prisão.

Mais conteúdo sobre:
Sorocaba júri assassinato atropelamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.