Motorista embriagado atropela e mata 2 pessoas em SP

Carro invadiu a calçada e atingiu um ponto de ônibus; outras três vítimas ficaram feridas em Itaquaquecetuba

Ricardo Valota, do estadao.com.br,

28 de janeiro de 2008 | 09h08

Duas pessoas morreram e três ficaram feridas, por volta das 18 horas deste domingo, 27, após um carro desgovernado subir na calçada e atropelá-las em um ponto de ônibus na Estrada do Pinheirinho, no Jardim Pinheirinho, em Itaquaquecetuba, região leste da Grande São Paulo. Ao volante de um Santana branco, em alta velocidade e embriagado, o soldador Abraão Laurindo de Lima, de 29 anos, perdeu o controle do carro, invadiu a calçada e atingiu o ponto de ônibus, atropelando Fabrício Aparecido Lins Caetano, de 21 anos, que morreu no local e Edeval José de Freitas, de 27 anos, que morreu no Hospital Santa Marcelina. Outras três mulheres, que também foram atingidas, foram encaminhadas para o mesmo pronto-socorro. Levado à delegacia central da cidade, Abraão afirmou ao delegado Daniel Miragaia que estava em alta velocidade porque era perseguido por outro carro. O motorista passou por exame de dosagem alcoólica, cujo resultado confirmou a embriaguez. Abraão foi indiciado por homicídio culposo e liberado para responder o processo em liberdade. Prisão  No final da noite de sábado, 26, após um acidente ocorrido na esquina da Avenida Abel Ferreira com Rua Anália Franco, no Tatuapé, zona leste da capital, o comerciante Fernando Bayerlein, de 36 anos, conduzindo um Fiat Pálio Weekend, acabou preso e indiciado por homicídio doloso por matar o torneiro mecânico Nelson Aparecido Alves Moreira, de 46 anos, atropelado na faixa de pedestre, onde se preparava para atravessar a rua. A vítima foi arrastada por quase cem metros. O veículo do comerciante ainda bateu em uma árvore e depois capotou no canteiro central. Parentes e amigos de Moreira, que morava nas imediações, ouviram o barulho e, a princípio, correram para o local. Ao descobrirem quem havia sido atropelado, alguns tentaram agredir o comerciante, mas foram impedidos por um policial civil que estava no local. Policiais militares foram chamados e levaram o torneiro mecânico para o pronto-socorro do Tatuapé, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Diferentemente do que costuma ocorrer nestes casos, Fernando foi autuado em flagrante por homicídio doloso, no 30º Distrito Policial, do Tatuapé. O advogado do comerciante disse que vai tentar pedir um habeas-corpus, para que seu cliente possa responder ao processo em liberdade.

Mais conteúdo sobre:
CArroAtropelamentoImprudência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.