Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Motorista do Uber é morto a facadas em região de prostituição na zona sul

Felipe Araujo Lopes discutiu com travestis que estavam na Avenida Indianópolis; nenhum suspeito foi preso

Sara Abdo, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 07h05
Atualizado 02 Agosto 2017 | 12h58

SÃO PAULO - Um motorista do aplicativo de transporte Uber foi morto a facadas na região de Indianópolis, na zona sul de São Paulo, na noite desta terça-feira, 1º. O caso aconteceu por volta das 22h30. A vítima, o técnico de informática Felipe Araujo Lopes, de 31 anos, foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na madrugada desta quarta-feira, 2.

A Polícia Militar foi chamada para atender a uma agressão na Avenida Indianópolis, no cruzamento com a Alameda Tacaúnas, região entre as estações da Linha 1-Azul Saúde e São Judas. Testemunhas acionaram a polícia após verem uma discussão entre Lopes e travestis que estavam no local.

Segundo o boletim de ocorrência informado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), Lopes foi encontrado;ferido próximo ao carro. Quando a polícia e o resgate chegaram, os suspeitos já tinham fugido da área, conhecida por ser uma zona de prostituição.

Até o início da manhã, não havia detidos e, no boletim, não consta indícios de agressão ao veículo.

A empresa Uber lamentou, em nota, que motoristas parceiros sejam alvo de violência urbana. "(Os condutores) vão às ruas todos os dias ajudar a construir o futuro da mobilidade em nossas cidades e gerar renda para si próprios e suas famílias", afirmou.

Segundo o Uber, Lopes não estava fazendo uma viagem durante a ocorrência e os suspeitos de agressão não eram passageiros do aplicativo.

O caso foi encaminhado para o 16º Distrito Policial (Vila Clementino), que não vai comentar o caso.

 
Mais conteúdo sobre:
São Paulo [SP] Uber Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.