Motorista bate após mal súbito e é linchado

Frequentadores de baile funk também depredaram ônibus e roubaram cobrador

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2011 | 03h02

O motorista da Via Sul Transportes Urbanos Edmilson dos Reis Alves, de 59 anos, foi espancado até a morte, na madrugada de ontem, por frequentadores de um baile funk após sofrer um mal súbito e atropelar uma pessoa, em Sapopemba, zona leste de São Paulo.

Motorista há 20 anos, Alves fazia a última viagem do dia quando, segundo testemunhas que estavam no coletivo, passou mal. O ônibus atropelou um homem, bateu em três carros e duas motos estacionadas na rua, antes que uma cobradora que pegava carona conseguisse puxar o freio de mão. Os carros, de acordo com testemunhas, pertenceriam a frequentadores do baile, que acontecia na Rua Torres Florêncio e Rielli.

Segundo os moradores, a rua estava tomada por um grupo de jovens que - ao som do funk que saía de quatro carros com o capô aberto - bebiam, dançavam e até usavam drogas. Mais de 30 pessoas avançaram e apedrejaram o ônibus.

"Cerca de cinco ou seis pessoas quebraram um dos vidros do veículo e arrancaram o motorista do banco a socos. Na rua, a turma decidiu continuar o espancamento, até com um extintor de incêndio retirado do veículo", afirmou o delegado do 69.º DP, Antônio José Pereira.

Com o barulho das batidas e a gritaria que veio em seguida, moradores ligaram para o 190. "Não tive coragem de sair de casa. O barulho era infernal. Vi um pessoal destruindo um ônibus e chamei a polícia. Só depois vi que estavam espancando alguém. A polícia não demorou, mas chegou tarde para salvar o motorista", contou uma moradora, que não quis ser identificada. Ela mora no bairro há 42 anos.

Os agressores ainda roubaram R$ 25 do caixa do cobrador. "Da garagem de casa, eu ouvia pessoas dizendo que queriam queimar o corpo dele, mas, graças a Deus, o resgate chegou antes. Com as viaturas do resgate, a rua se esvaziou." Edmilson já chegou morto ao Hospital Sapopemba.Sem imagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.