Motorista apanha em briga de trânsito e mata agressor a tiros

Acidente aconteceu em Botucatu, interior de SP; gravações da polícia mostram desespero de [br]testemunhas

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2011 | 00h00

SOROCABA

O motorista Jonas Braga de Albuquerque, de 44 anos, acusado de matar a tiros Adriano Antonio dos Santos, de 28, durante briga de trânsito em Botucatu (a 235 km de São Paulo), no domingo, deve se apresentar hoje à Polícia Civil. Ele está hospitalizado por causa do acidente. Depois de ser agredido, Jonas buscou um revólver e atirou nos agressores. Adriano foi atingido por uma bala no peito e morreu. Seu irmão, menor de idade, que participou das agressões, não foi ferido.

Várias pessoas que presenciaram a briga telefonaram para a Polícia Militar e se desesperaram enquanto a viatura não chegava (leia os diálogos ao lado). Os áudios das ligações foram divulgados pela polícia e, em um deles, é possível ouvir os disparos.

Os advogados vão alegar legítima defesa. Os diálogos entre as testemunhas e o serviço de emergência da PM indicam que Jonas estava apanhando dos irmãos. Ele foi ferido na cabeça.

De acordo com a Polícia Civil, o carro de Adriano perdeu o freio e bateu no veículo dirigido por Jonas na periferia da cidade. Jonas tirou o filho de 2 anos do carro e começou a discutir com o outro motorista. Um irmão de Adriano chegou e os dois passaram a bater em Jonas. Ferido pelo acidente e as agressões, Jonas foi até sua casa, nas proximidades, pegou um revólver e baleou os irmãos. Adriano estava morto quando a PM chegou.

Emergência. O major da Polícia Militar Marcelo Amaral disse que não houve demora no atendimento da ocorrência. "A primeira ligação dava conta de um acidente de trânsito sem vítima. Entre o primeiro telefonema informando sobre a briga e a chegada da viatura ao local transcorreram exatos três minutos. Para uma cidade como Botucatu, é um tempo aceitável."

Jonas deve ser indiciado por homicídio doloso - com intenção de matar - e pode ser condenado a 30 anos de prisão. Caso se apresente, poderá responder ao processo em liberdade, por não ter antecedentes criminais.

TRECHOS DO 190

Ao menos três pessoas ligaram para o 190 da PM por causa do acidente e da briga.

Denunciante 1: "Gostaria de fazer uma denúncia com urgência, senhora, com urgência. Acidente de trânsito e tem duas pessoas agredindo outro cara com madeira e pedaço de ferro."

Denunciante 2: "Eu acabei de ligar aí, eles foram buscar bala para atirar no outro, meu Deus!"

Denunciante 3: "Tem de ser muito rápido, senão vai acontecer uma desgraça aqui." (...) "Escuta os tiros, a senhora está escutando os tiros?" (...) "Moça, pelo amor de Deus, está morto!"

Policial: "Senhora, a viatura está indo aí no Santa Maria 1, é só aguardar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.