Motofaixa na Vergueiro já tumultua trânsito

Quatro cruzamentos na Vila Mariana ficam congestionados. Moradores temem piora com a inauguração da via

Felipe Oda, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2010 | 00h00

A construção da motofaixa da Rua Vergueiro, entre o centro e a zona sul, criou quatro novos pontos de congestionamento na região. Além disso, deslocou o tráfego intenso de veículos para ruas residenciais.

Moradores e motoristas que trafegam pela Vila Mariana afirmam que as mudanças no bairro para a implementação da faixa exclusiva de motos têm provocado congestionamento nas esquinas da Vergueiro com as Ruas Baltazar Lisboa e Dr. Nicolau de Sousa Queirós, no sentido centro, e nos cruzamentos com a Avenida Conselheiro Rodrigues Alves e a Rua Joaquim Távora, sentido bairro.

"Antes, os acessos eram feitos à esquerda. Agora, com a motofaixa, todos os retornos são do lado direito", afirma Stanley Melo Marques, de 29 anos, dono de um posto de gasolina na esquina da Baltazar Lisboa com a Vergueiro.

Para o taxista Gilberto Silvério Lima, de 55 anos, a inauguração da motofaixa vai piorar a situação. "Imagina quando os carros não puderem circular pela faixa de motos? A Vergueiro inteira será um gargalo."

Os moradores das Ruas Bartolomeu de Gusmão, Manuel de Paiva e Limoeiro de Anádia também reclamam das alterações. Ruas tranquilas passaram a receber intenso fluxo de veículos.

"O trânsito era local, mas, agora, até ônibus a caminho do Ibirapuera passa pela minha rua. Virou uma barulheira", lamenta a aposentada Ana Maria Lazário, de 66 anos. "Parece exagero, mas as paredes até tremem nos horários de pico."

Inauguração. As obras da faixa exclusiva terminaram no último dia 30 de abril, mas, segundo Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), ainda é preciso instalar a sinalização para liberar o corredor. A previsão de entrega é no meio deste mês.

O corredor servirá como alternativa à Avenida 23 de Maio. A CET anunciou que 90 dias depois da inauguração da motofaixa vai proibir a circulação de motos na avenida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.