Motofaixa da Vergueiro começa a funcionar hoje

Via de 3,5 km que liga o centro à região do Ibirapuera é o primeiro passo para a proibição das motos na Avenida 23 de Maio

Renato Machado, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2010 | 00h00

 

SÃO PAULO - A faixa exclusiva para motos que vai do centro à região do Ibirapuera, na zona sul, começou a funcionar nesta quarta-feira, 2, às 6 horas. Fazendo o trajeto entre a Avenida Lins de Vasconcelos e a Praça João Mendes, seguindo pela Rua Vergueiro e a Avenida Liberdade, a chamada motofaixa tem 3,5 km de extensão de ambos os lados.

A obra foi entregue com três meses de atraso - o secretário dos Transportes, Alexandre de Moraes, havia informado que a inauguração ocorreria em março. A motofaixa foi criada para ser um corredor de motos alternativo à Avenida 23 de Maio. A Prefeitura já anunciou que vai aguardar um período de adaptação de até 90 dias. Depois, vai proibir a circulação de motos na avenida entre o antigo prédio do Detran e a Praça das Bandeiras.

A alegação para a proibição é a tentativa de aumentar a segurança no trânsito, uma vez que no ano passado a 23 de Maio foi a segunda via mais perigosa para os motociclistas, com um índice de 22,5 acidentes por quilômetro - a mais perigosa é a Marginal do Tietê (24,3). Os números da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) apontam que 1,3 mil motociclistas utilizam a 23 de Maio em cada um dos horários de pico. Todo esse fluxo deve ser direcionado para a faixa.

O presidente do Sindicato dos Motociclistas de São Paulo (Sindimoto), Aldemir Martins, o Alemão, afirma que a entidade vai recorrer à Justiça. "Obrigar uma pessoa a utilizar uma motofaixa porque proibiu a circulação em outra via é absurdo", diz. Ele critica a faixa da Vergueiro, afirmando que a via tem muitos semáforos e passa por locais com muitos pedestres. "Tem de ser em um corredor expresso, como a Radial e a Teotônio Vilela, para reduzir os acidentes."

Já o Sindicato dos Mensageiros de São Paulo tinha concordado com a proibição, mas após circular pela pista, o presidente da entidade, Gilberto Almeida dos Santos, o Gil, acha que tanto o prazo para a proibição começar quanto a restrição precisam ser revistos. Entre as críticas de Santos estão os pontos de entrada e saída da motofaixa. "Dificilmente a motofaixa vai comportar o tráfego da 23."

Trânsito. O estreitamento das vias para a criação da motofaixa provocou problemas no trânsito da região recentemente. Em todo o seu trajeto, os demais motoristas estarão proibidos de virar à esquerda. Quando precisarem acessar uma via desse lado, terão de fazer uma volta à direita no quarteirão para utilizar cruzamentos específicos. Por causa disso, durante a construção ruas paralelas ficaram congestionadas nos horários de pico.

PARA LEMBRAR

Sumaré tem via exclusiva desde 2006

A Prefeitura de São Paulo criou em 2006 a primeira faixa exclusiva para motos no Brasil, na Avenida Sumaré, zona oeste da capital. Os números da CET apontam que houve um acréscimo no volume de motos na avenida de 60% entre o período antes da faixa exclusiva e o posterior. Atualmente, a via recebe cerca de 500 motos por hora. O número de acidentes envolvendo motos na via foi de 47 em 2007 para 54 em 2008 e 22 no primeiro semestre de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.