Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Motociclistas protestam no primeiro dia de pedágio na região de Ribeirão Preto

Pela manhã houve tumulto e, em Sertãozinho, cancela chegou a ser aberta para que veículos pudessem passar sem pagar a tarifa

Rene Moreira, Especial para o Estado

18 Maio 2018 | 17h42

FRANCA - Motociclistas fizeram muito barulho ao passarem pelas cabines de pedágio da Rodovia Anhanguera (SP-330) e de outras duas pistas da região de Ribeirão Preto nesta sexta-feira, 18. O motivo é que este é o primeiro dia de cobrança de motocicletas, até então isentas do pagamento do pedágio. 

+ Governo federal desiste de alongar prazo para concessionárias investirem em rodovias

Muitos trabalhadores e estudantes usam as motos para se deslocarem de cidades próximas até Ribeirão. Revoltados, eles estão passando buzinando pelas cabines e pela manhã fizeram um protesto na Rodovia Atílio Balbo (SP-322), em Sertãozinho, uma das que passaram a fazer cobrança. 

O pagamento também está sendo exigido na Rodovia Armando de Sales Oliveira (SP-322), em Pitangueiras (SP), e em duas praças de pedágio da Anhanguera, nos municípios paulistas de Ituverava e Sales Oliveira. A tarifa para as motos vão de R$ 2,85 a R$ 5,50 e correspondem à metade do valor pago pelos carros.

Em Sertãozinho, na Rodovia Atílio Balbo, além da manifestação, as duas cabines de atendimento voltadas às motos não deram conta dos 30 mil veículos do tipo que passam pelo local todos os dias. O jeito foi liberar no horário de pico as cancelas para a passagem gratuita sem o pagamento da tarifa. A concessionária da pista informou, porém, que o problema já está sendo solucionado. 

Queda

A Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) diz que a cobrança das motocicletas faz parte da 4.ª etapa do Programa de Concessões Rodoviárias. E que a medida propiciou a redução dos valores cobrados dos motoristas de carros, que estão pagando até R$ 2,65 a menos nos pedágios da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.