Andrea de Cássia Pereira
Andrea de Cássia Pereira

Motociclista morre após ter pescoço cortado por linha com cerol em Rio Preto

Andrea de Cássia Pereira havia saído para buscar almoço e voltava para casa quando foi atingida pelo cortante

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 10h48

SOROCABA - A motociclista Andrea de Cássia Pereira, de 38 anos, morreu nesta quarta-feira, 7, após ter o pescoço cortado por uma linha de pipa com cerol, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo.

Ela estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Base desde o acidente, no domingo, 4, numa rua do Residencial Lealdade, zona norte da cidade. 

A linha impregnada com cerol - mistura de cola e vidro moído - fez um corte profundo na garganta de Andrea. Ela foi socorrida por pedestres e levada para o hospital.

De acordo com familiares, a mulher saiu de moto para buscar o almoço e voltava para casa quando foi atingida pela linha cortante. Ela parou a moto e começou a gritar por socorro. 

Moradores relatam terem visto um pedaço da linha ainda cravado no pescoço. A Polícia Civil ouviu dois menores, um deles de 13 anos, que seriam os donos da linha.

A Guarda Civil Municipal (GCM) informou ter feito 33 apreensões de linha com cerol, artefato proibido por lei, desde o início do ano na cidade. O infrator, ou, se menor, o pai ou responsável, recebe multa de meio salário mínimo (R$ 468,50), que tem o valor dobrado em caso de reincidência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.