Moto vetada na pista expressa da Tietê

Regra será educativa nos primeiros 15 dias; depois, motoqueiro que trafegar irregularmente levará multa de R$ 85,12 e 4 pontos na CNH

Bruno Ribeiro e Marcela Spinosa, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

Nova regra. Motociclistas trafegam pela pista expressa: segundo CET, maioria dos acidentes ocorre quando se troca de faixa      

 

 

 

As novas medidas de restrição ao tráfego também atingem os motociclistas. A partir de segunda-feira, as motos estão proibidas de circular na pista expressa da Marginal do Tietê. O trânsito será permitido só nas pistas locais e centrais da via. Segundo a Prefeitura, nos primeiros 15 dias da medida a regra será educativa. Passado esse período, quem for flagrado circulando nas faixas expressas será multado em R$ 85,12 e receberá quatro pontos na carteira de habilitação.

A proibição tem como objetivo reduzir o número de acidentes com motociclistas. Ela era prevista desde o início das obras de ampliação da Marginal do Tietê. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a via é a campeã de acidentes com mortes envolvendo motos. Com 23,5 quilômetros de extensão em cada sentido, a Tietê recebe diariamente 350 mil veículos, dos quais 70 mil são caminhões e 45 mil, motos.

Em 2009, dos 50 acidentes com mortes registrados na Marginal do Tietê, 32 envolviam motoqueiros. O número aumentou em relação a 2008, quando foram registrados 58 acidentes com mortos - dos quais 27 tinham motociclistas envolvidos.

O presidente do Sindicato dos Motoboys de São Paulo (Sindimotosp), Gilberto Almeida dos Santos, é a favor da restrição. "A medida é preventiva e não atinge todas as pistas. Esperamos que a regra reduza os acidentes", diz.

Perigo. Segundo a CET, grande parte dos acidentes ocorre quando os motociclistas trocam de faixas de rolamento (quatro na pista expressa, três na central e de quatro a duas na local).

Foi justamente ao mudar de uma faixa para outra que o motoboy Sidney Watanabe, de 24 anos, sofreu um acidente na pista expressa da Marginal do Tietê. "Tinha um carro que também mudava de faixa. Acho que o motorista não me viu e batemos." Por sorte, Watanabe nada sofreu no acidente. No entanto, ele é contra a restrição de motos na via expressa. "E quando eu precisar pegar a (Rodovia) Castelo Branco, como vou fazer?"

O supervisor de tráfego Giovanni Fittipaldi, de 47 anos, também não gostou da regra. Morador de Guarulhos, na Grande São Paulo, ele usa a Marginal do Tietê todos os dias para ir trabalhar no Limão, na zona norte. "Vou ter de sair mais cedo de casa porque as velocidades são menores." Os limites das pistas local e central são, respectivamente, 70 km/h e 80 km/h. Já na pista expressa, os veículos podem trafegar a até 90 km/h.

A "motogirl" Maria Verônica de Lima, de 43 anos, aprovou a proibição. "Não precisa da expressa. Só quem percorre grandes distâncias é que deve usá-la", afirma. O também motoboy Edson Luis Rocha, de 31 anos, concorda. "Tem o lado bom também: os acidentes podem diminuir. Cair na pista expressa é muito mais perigoso."

Velocidade. Para caminhões e ônibus, a velocidade máxima na pista expressa caiu: passou de 90 km/h para 70 km/h. A regra já está valendo, mas é apenas educativa nos próximos 15 dias.

Fretados

GILBERTO KASSAB PREFEITO DE SÃO PAULO

"Nós vamos intensificar (as restrições aos fretados). A ideia é cada vez mais mostrar que São Paulo tem capacidade para atender as pessoas que vêm de outras

Cidades e, em vez de atenuar, radicalizar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.