Mostra traz acervo de Fábio Prado e Renata Crespi

Exposição no Museu da Casa Brasileira retrata cotidiano do casal e o dia a dia de SP entre os séculos 19 e 20

O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2012 | 03h04

O cotidiano de uma família paulistana e a vida em São Paulo entre o fim do século 19 até meados do século 20 estão retratados na exposição A Casa e a Cidade - Coleção Crespi-Prado, no Museu da Casa Brasileira, que será aberta amanhã, às 11h.

Com móveis, prataria e utensílios do casal Renata Crespi e Fábio Prado - ela, filha de um industrial italiano; ele, prefeito de São Paulo de 1934 a 1938 -, a mostra tem textos dos professores Carlos Lemos e Maria Ruth Amaral, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, além do ambientalista Ricardo Cardim. Eles contextualizam a coleção dentro do panorama histórico e urbanístico de uma São Paulo que começava a nascer como metrópole.

Para apresentar aspectos do cotidiano do casal, a mostra é dividida em Renata Crespi, Fábio Prado, Território, Vida pública e cidade e, por último, O Solar.

Além disso, a história da família se confunde com a do local em que ocorre a exposição. Renata e Fábio foram os primeiros moradores do casarão onde hoje é o Museu da Casa Brasileira. Quando o marido morreu, na década de 1960, Renata doou o imóvel para o governo estadual, que até hoje é gestor do museu.

"Como prefeito, Prado participou da execução de obras urbanísticas importantes e inseriu o imóvel no cotidiano das festas e recepções ", explica Miriam Lerner, diretora-geral do museu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.