Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Mostra retrata criação e demolição da Praça Roosevelt

Colecionador fotografou processo de mudança da área na região central; de suas 1,1 mil imagens, 50 melhores vão virar exposição

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2011 | 00h00

Vizinho da Praça Roosevelt, na Consolação, o colecionador Dario Bueno há sete meses fotografa cada etapa da demolição, iniciada em novembro. No fim do mês, as 50 melhores imagens serão expostas em 21 pontos comerciais da praça: de teatros e bares a papelarias, pet shops e mercadinhos. A construção não ficará de fora: além de fotos com montanhas de concreto e ferro retorcido, Bueno também vai mostrar como a praça era há 41 anos, na época da inauguração.

"Saio toda manhã com a câmera para retratar o momento de uma praça que durou pouco, 40 anos e mais nada", diz o colecionador, de 64 anos. "O momento que mais doeu foi quando arrancaram as árvores. Espero que essa mostra traga reflexão para quem constrói e para quem usa espaços públicos. Do jeito que foi feita, a praça era mais usada por carros, em dois andares de estacionamento sob tampa de concreto, do que pelas pessoas."

Bueno fez cerca de 1.100 fotos. Intitulada Arquitetura da Desconstrução, a mostra retratará áreas emblemáticas da praça, agora transformadas em 9,5 mil m³ de entulho - o pentágono, dois grandes vasos de concreto, quadras de cimento colorido, rampas de estacionamentos, antigas escola, bases da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana.

"Se a exposição não incentivar a reconstrução, ao menos vai envergonhar os responsáveis se a obra não for para a frente", disse Bueno, que no ano passado "comemorou" 40 anos da Roosevelt com exposição de imagens da construção da praça, inaugurada em 25 de janeiro de 1970 pelo prefeito Faria Lima. "Agora, a exposição vai mostrar o ponto final. Além de imagens da construção, para mostrar "nascimento e morte" de um espaço de lazer."

Prevista para dezembro de 2012, a nova Praça Roosevelt custará R$ 38,6 milhões, 85% emprestados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento - a previsão era gastar R$ 18 milhões, mas a quantia mais que dobrou após "revisão de novos projetos". No fim de semana, foi retirada a laje sobre a ligação com a Radial Leste. A via ficou interditada até ontem de manhã. O projeto prevê cachorródromo, duas floriculturas, instalações para PM e GCM, banheiros públicos e plantio de 216 árvores nativas.

LOCAIS DA MOSTRA

Bares e restaurantes

La Barca, Papo, Pinga e Petisco, Pastelaria da Rosa, Lanchonete Coisa Nossa

Teatros

Satyros I e II, Teatro 184, Teatro do Ator, Parlapatões

Comércios

Pet Shop Totó Bichano, Livraria e Papelaria Universo, Supermercado Extra, HQ Mix Livraria, Barbearia e Charutaria Diplomata, Mercado Nestor Pestana, M2 Lan House e Vídeo Locadora, Salão de Beleza Cantinho da Beleza

Outros locais

Edifício Icaraí, Igreja Nossa Senhora da Consolação e Escola Estadual Caetano de Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.