Morumbi tem mais um arrastão em prédio

Ladrões encapuzados subiram pela garagem e depois invadiram sete apartamentos

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

15 Novembro 2011 | 03h02

A onda de arrastões em condomínios do Morumbi, na zona sul de São Paulo, atingiu no domingo moradores de um prédio na Rua José de Cristo Moreira, a cerca de dois quilômetros de distância do Palácio dos Bandeirantes, a sede do governo estadual. Os bandidos conseguiram fugir após o roubo e, até as 20h de ontem, nenhum havia sido preso. Ninguém ficou ferido durante a ação dos criminosos.

A quadrilha chegou ao condomínio no início da tarde de anteontem, por volta das 14h30. Câmeras do circuito interno de vigilância flagraram dois veículos entrando no prédio. Pelas imagens, é possível notar um Fiat Linea passando pelo portão da garagem como se fosse um morador comum.

A suspeita é de que os criminosos já tinham o controle de acesso ao prédio, porque não foi necessário tomar ninguém como refém ou usar a força para chegar ao interior do prédio.

Poucos minutos depois, uma Hyundai Tucson também entrou no prédio. Pelas imagens das câmeras de condomínios vizinhos, é possível notar que o carro deu pelo menos duas voltas no quarteirão antes de invadir o edifício.

Com os dois veículos na garagem, os bandidos subiram pelas escadas - para evitar serem flagrados por câmeras do elevador - para o último dos oito andares. De lá, começaram a forçar a entrada nos apartamentos. Segundo a polícia, eles estavam todos encapuzados e conseguiram invadir pelo menos sete apartamentos, de onde levaram relógios, joias, perfumes e dinheiro.

Ameaças. Uma professora de 61 anos afirmou à polícia que foi abordada por dois homens armados ao chegar em casa. Ela contou que foi mantida refém por aproximadamente uma hora, sempre sob a ameaça dos criminosos.

Um dos moradores passava o feriado na praia e foi avisado do assalto apenas ontem, por uma vizinha. O advogado relatou à polícia que, entre outros objetos, os bandidos levaram uma coleção de relógios que ele mantinha há quase três décadas e tinha valor afetivo maior do que o comercial.

Segundo o zelador, o prédio não tem porteiro e conta com um sistema eletrônico de segurança que vinha se mostrando eficiente nos últimos oito anos, desde que foi implantado. O edifício nunca tinha sido alvo de ladrões.

As vítimas foram conduzidas à Central de Flagrantes, no 89.º Distrito Policial (Portal do Morumbi), onde foi registrado o boletim de ocorrência. O caso será investigado pelo Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.