ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO
ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO

Mortes no trânsito aumentam 23% nas Marginais em 2017

Foram 32 óbitos, ante 26 registrados em 2016, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2018 | 16h53
Atualizado 24 Janeiro 2018 | 00h06

O total de mortes em acidentes de trânsito aumentou nas Marginais do Tietê e do Pinheiros em 2017, segundo dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) divulgados nesta terça-feira, 23. Foram 32 óbitos, ante 26 registrados em 2016. O aumento é de 23%. No total, os motociclistas estão presentes em 68% dos casos. 

Na Marginal do Tietê, o número de mortes passou de 15 para 19, na comparação entre os dois anos, e na do Pinheiros, de 11 para 13. Os números de 2017, entretanto, ainda podem sofrer alterações porque os dados de dezembro ainda podem mudar. O balanço final sai em abril.

++ Mortes no trânsito caem 7% na capital; atropelamentos fecham 2017 em alta

O presidente da CET, João Octaviano, refuta a ideia de que o aumento de mortes tenha relação com a alta dos limites de velocidade aplicados nas vias em 2017. Para ele, “não há nenhuma evidência de que o aumento de velocidades tenha relação”. Amanhã faz um ano que a alteração da velocidade máxima nas Marginais foi implementada pelo prefeito João Doria (PSDB).

Octaviano argumenta que quatro mortes aconteceram em trechos onde não houve aumento de velocidades das vias. Outros seis casos, segundo sua análise, foram resultado da “imprudência” de motoristas e pedestres. Como exemplo, ele citou o caso ocorrido no fim do ano em que uma mulher alcoolizada matou três pessoas, e o de uma moradora de rua que se jogou embaixo de um caminhão.

++ 13 pessoas são socorridas após incidente na Estação Palmeiras-Barra Funda

Os argumentos, porém, não são unanimidade entre especialistas da área. Engenheiro de trânsito e ex-ombudsman da CET para redução de acidentes com pedestres, Luiz Célio Bottura afirma que o aumento de casos pode, sim, ter relação com os limites. “No geral, olhando para a cidade inteira, o número de acidentes caiu. Mas eles não mexeram na cidade inteira. Mexeram só nas marginais, onde aumentou.”

A redução a que Bottura se refere foi divulgada na semana passada, pelo Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga), mantido pelo governo do Estado. Os números mostram que, fechado o ano, houve uma diminuição de 7% no total de mortes da cidade em 2017, na comparação com o ano anterior. O Infosiga e a CET, entretanto, têm metodologias diferentes para aferir os dados.

Socorro. De acordo com a CET, o número de ocorrências de trânsito registradas nas duas vias passou de 22 mil casos em 2016 para 36 mil em 2017. Para a companhia, como mais agentes estão fiscalizando as vias, houve aumento da capacidade de registro, de atendimento de acidentes e de socorro a veículos com panes.

O total de agentes era de 170 em 2016 e passou para 268 em 2017. A empresa afirma que esse aumento de custos de operação se deu por demandas da via que já eram necessárias com os limites antigos, e não foram adotadas apenas para tentar evitar acidentes com os limites novos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.