Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Mortes em Paraisópolis ‘nada têm a ver com conduta dos policiais’, diz advogado dos agentes

Defensor diz que a conduta, na verdade, serviu para evitar tragédia maior. Ele cobrou apuração sobre a responsabilidade dos organizadores do evento e da Prefeitura. Ocorrência terminou com nove mortos por pisoteamento

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2019 | 20h02

SÃO PAULO - O advogado Fernando Fabiani Capano, responsável pela defesa de alguns dos policiais militares que atuaram em Paraisópolis no fim de semana passado, disse nesta sexta-feira, 6, que “o resultado trágico nada tem a ver com a conduta direta ou indireta dos policiais militares que lá estavam”. A conduta deles, diz o defensor, “serviu em grande medida para acautelar a ocorrência e evitar tragédia maior”.  A ocorrência terminou com nove mortos por pisoteamento.

As declarações constam de nota pública divulgada pelo escritório de advocacia de Capano. Ele diz que o estopim do problema foi a conduta criminosa de indivíduos que atiraram contra os policiais. Os agentes sustentam desde domingo que a intervenção na região ocorreu após ocupantes de uma moto terem atirado contra eles, o que deu início a uma perseguição e levou à dispersão do Baile da DZ7

Capano destaca ainda a necessidade de se investigar a responsabilidade da Prefeitura de São Paulo no caso, assim como o papel dos organizadores do evento. “Há de se perquirir também acerca da responsabilidade dos organizadores desse tipo de evento que, reunindo grande multidão e sem cumprir minimamente as regras e posturas municipais de ocupação do espaço público, expõe seus frequentadores a grande risco. Também causa espécie a ausência de qualquer fiscalização do Poder Público Municipal que, de modo preventivo, poderia tutelar e organizar esse tipo de evento, evitando tragédias desta natureza, causadas por grandes aglomerações desorganizadas e em local físico impróprio.”

Para ele, faltam elementos que possam apontar a responsabilidade pelas mortes para os policiais. Ele diz esperar que a investigação das autoridades demonstre plenamente o que a defesa dos policiais está sustentando. “Mais uma vez ressaltando a tristeza pelas mortes ocorridas, acredito que a verdade prevalecerá e que os responsáveis diretos pela tragédia — que não são os policiais militares — serão trazidos a juízo”, declarou Capano.

A reportagem questionou a Prefeitura sobre o assunto no início da noite, mas não obteve resposta até o horário de publicação desta matéria. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.