Mortes de motoqueiro crescem 11,7% em SP

Balanço de 2010 mostra ainda que, em metade dos casos, pedestres são as vítimas

Renato Machado e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2011 | 00h00

A quantidade de motociclistas mortos no trânsito de São Paulo aumentou 11,7% no ano passado (foram 478), interrompendo tendência de queda dos períodos anteriores. O dado chama ainda mais a atenção, porque houve redução na mortalidade de todos os outros personagens do trânsito: motoristas, ciclistas e pedestres. As pessoas nas calçadas e atravessando as vias, no entanto, continuam sendo as maiores vítimas, com 630 mortos em 2010.

A alta no número de motociclistas mortos fez esse índice voltar exatamente ao mesmo patamar de três anos atrás - quando se atingiu o maior pico de vítimas fatais. E isso em um ano em que a Prefeitura implementou medidas de impacto para esses veículos, como a inauguração da motofaixa da Rua Vergueiro e a proibição de motos na pista expressa da Marginal do Tietê. 

 

Veja também:

linkÍndice geral de vítimas apresentou uma leve queda

linkCirculação em alta velocidade é comum e mortífera

 

"É preciso estimular o compartilhamento da via pública. A criação da motofaixa e a proibição na Marginal aumentam a hostilidade e a segregação entre motoristas de automóveis e motociclistas", diz o presidente da Associação Brasileira de Motociclistas (Abram), Lucas Pimentel.

O Relatório de Acidentes de Trânsito da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mostra que 41,8% das colisões com mortes envolvem motos e carro. Na sequência (14,9%) aparecem motos e ônibus.

 

Foi em um desses acidentes que o motociclista Beto Souza, de 35 anos, perdeu o amigo José Roberto Favaro Junior, de 30. Junior subia ladeira no Jardim Saúde, na zona sul, quando um ônibus atingiu a traseira da moto. O motociclista ficou preso debaixo do ônibus e foi arrastado. "Na verdade, foi assassinato", diz Beto Souza, presidente do motoclube do qual Junior fazia parte.

Atropelamentos. Além de serem responsáveis pelas mortes dos próprios ocupantes, as motos também contribuem para aumentar a fatalidade dos acidentes envolvendo pedestres. Um quarto de todos os atropelamentos que resultaram em morte foi provocado por veículos em duas rodas.

 

Isso agrava uma situação já alarmante: pedestres são quase metade de todos os mortos no trânsito. No ano passado, a quantidade de mortos caiu 6,1% - passou de 671 para 630. "Nós consideramos essa queda baixa ainda e por isso objetivamos uma de maior impacto, reduzindo pela metade", diz o secretário de Transportes, Marcelo Cardinale Branco. "Mas, para isso, é preciso uma mobilização geral da sociedade", completa.

Os dados da CET mostram que os atropelamentos acontecem principalmente na região central, em distritos como o da Sé - que por sinal é o líder em mortes. As maiores vítimas do trânsito são os aposentados e pensionistas, com 195 casos. Desses, 90% foram atropelados.

Sobre duas rodas

11,9% - cresceu a frota em um ano

889 mil - existem atualmente em SP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.