Reprodução
Reprodução

Morre morador de rua queimado enquanto dormia na Mooca

Imagens de câmeras de segurança mostram momento em que Carlos Roberto Vieira da Silva é atacado; autor do crime é procurado

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2020 | 13h11
Atualizado 09 de janeiro de 2020 | 16h29

SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo investiga a morte de um morador de rua que foi queimado enquanto dormia na Mooca, na zona leste da capital paulista. Carlos Roberto Vieira da Silva, de 39 anos, morreu na manhã desta segunda-feira, 6, após ter sido atacado na Rua Celso de Azevedo de Marques, na madrugada de domingo, 5. Ele estava internado no Hospital Municipal Doutor Cármino Caricchio, conhecido como Hospital do Tatuapé.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), Silva teria informado que não sabia como sofreu as queimaduras, já que o incêndio foi iniciado enquanto ele estava dormindo na rua.

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou a morte de Silva nesta segunda e informou, por meio de nota, que o corpo da vítima foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).

Imagens de câmeras de segurança da região registraram o momento em que uma pessoa se aproxima de Silva e joga o que parece ser combustível sobre a vítima. Em seguida, uma explosão acontece e o agressor foge.

A Polícia Civil de São Paulo procura o autor do crime. Os investigadores apreenderam um recipiente encontrado no local da explosão e encaminharam para a perícia. O caso é investigado pelo 18.º Distrito Policial (Alto da Mooca).

Outro caso

Em outubro do ano passado, um morador de rua foi morto a pedradas em Ribeirão Preto, no interior paulista. Em julho, pelo menos três foram encontrados mortos em decorrência da onda de frio que atingiu a capital paulista. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.