Morre Miguel Urbano Rodrigues, um jornalista que lutou contra o salazarismo

Jornalista, escritor e político comunista faleceu aos 91 anos na região do Porto, em Portugal; ele havia se refugiado no Brasil por quase 20 anos durante a ditadura salazarista

O Estado de S.Paulo

27 Maio 2017 | 19h38

SÃO PAULO - O jornalista, escritor e político comunista Miguel Urbano Rodrigues, que morreu neste sábado, 27, aos 91 anos, em Vila Nova de Gaia, na região do Porto, em Portugal, refugiou-se no Brasil por quase 20 anos durante a ditadura salazarista. Entre 1957 e 1974, Rodrigues encontrou abrigo no Estado, onde trabalhou como repórter e editorialista. Em 1961, recebeu o Prêmio Esso Regional de Jornalismo, com o fotógrafo Antonio Lucio, por uma série de reportagens sobre o paquete Santa Maria, sequestrado com 612 passageiros e 350 tripulantes a caminho de Miami, por um grupo de exilados portugueses e espanhóis que pretendia desestabilizar os governos de Salazar, em Portugal, e Francisco Franco, na Espanha. 

No período em que viveu no Brasil, trabalhou também como editor de Internacional da extinta revista Visão. Rodrigues foi membro do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e um dos mais destacados militantes no País pela redemocratização de Portugal e pela independência das ex-colônias portuguesas. 

Após a Revolução dos Cravos, voltou a Portugal, onde dirigiu os jornais Avante! e O Diário. Nos anos 1990, foi deputado na Assembleia da República, pelo Partido Comunista Português (PCP). Autor de uma dezena de livros, publicados no Brasil e em Portugal, ele manteve o ativismo político até o fim da vida. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.