Geraldo Magela/Agência Senado
Geraldo Magela/Agência Senado

Morre em Rio Preto pesquisador da USP que desenvolveu a ‘pílula do câncer’

Gilberto Orivaldo Chierice chegou a distribuir 50 mil cápsulas por mês, mas os efeitos da substância não eram comprovados, o que causou polêmica

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2019 | 18h55
Atualizado 20 de julho de 2019 | 10h19

Correções: 20/07/2019 | 10h19

SOROCABA – O pesquisador Gilberto Orivaldo Chierice, conhecido por ter desenvolvido a fosfoetanolamina sintética, droga buscada por seus supostos efeitos contra o câncer, morreu aos 75 anos, nesta sexta-feira, 19, em um  hospital de São José do Rio Preto, interior de São Paulo. Chierice, que era professor aposentado do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), câmpus de São Carlos, estava internado no Hospital Instituto de Moléstias Cardiovasculares. A causa da morte não foi divulgada. O sepultamento será na manhã deste sábado, 20, no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em São Carlos.

Chierice fabricou e distribuiu durante 20 anos a fosfoetanolamina, conhecida como “pílula do câncer”, em seu laboratório no Instituto de Química de São Carlos. Sem testes clínicos que comprovassem sua eficácia, a droga, sintetizada a partir da monoetanolamina e ácido fosfórico, ganhou fama como eficaz contra vários tipos de câncer. Ele chegou a distribuir 50 mil cápsulas por mês, até que, em 2016, notificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a USP suspendeu a produção e distribuição das cápsulas.

A medida desencadeou uma corrida de pacientes e familiares à Justiça, obtendo liminares para que o fornecimento da fosfoetanolamina fosse continuado. Em abril daquele ano, a então presidente Dilma Rousseff (PT) chegou a sancionar uma lei para que a medicação fosse fornecida para pacientes com tumores malignos. Em maio do mesmo ano, por 6 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a lei e as decisões judiciais que obrigavam o governo a fornecer a substância.

Na época, o governo paulista havia autorizado uma pesquisa clínica para  para testar a eficácia da ‘pílula do câncer’. Meses depois, o Instituto do Câncer suspendeu os trabalhos porque a substância não apresentou resultados significativos. A suspensão dos testes foi bastante criticada por grupos criados em redes sociais que defendiam a eficácia da fosfoetanolamina. Uma das alegações foi a de que a substância usada nos testes não era a mesma desenvolvida pelo professor Chierice. Desde então, o laboratório da USP não voltou a produzir a ‘pílula do câncer’.

A morte do pesquisador, que deixou esposa, filhos e netos, foi lamentada pelo grupo Fosfoetanolamina, em sua fanpage no Facebook. “Lamentamos a perda deste grande homem que durante mais de 25 anos levou esperança e cura a centenas de pacientes oncológicos. Seremos sempre gratos pelo trabalho excepcional, e pela pessoa maravilhosa que foi. A simplicidade e enorme coração jamais serão esquecidos por aqueles que conhecem a verdade. O Brasil perde um grande cientista”, diz o texto.

O Instituto de Química de São Carlos também lamentou a morte do docente aposentado do IQSC.

Correções
20/07/2019 | 10h19

O pesquisador Gilberto Orivaldo Chierice era professor aposentado do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), câmpus de São Carlos, e não de São José do Rio Preto, como foi publicado anteriormente. 

O sepultamento será na manhã deste sábado, 20, no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em São Carlos, e não em São José do Rio Preto.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.