Divulgação
Divulgação

Morre ciclista atropelada na Faria Lima

Modelo foi atingida por ônibus no cruzamento com a Rua Chopin de Lima e teve traumatismo craniano; CET faz análise de semáforos

Marco Antonio Carvalho, O Estado de S. Paulo

04 de setembro de 2015 | 00h38

SÃO PAULO - A modelo Mariana Livinalli Rodriguez, de 25 anos, atropelada por um ônibus na ciclovia da Avenida Brigadeiro Faria Lima na terça-feira, morreu na noite desta quinta-feira, 3. A jovem sofreu traumatismo craniano e teve o óbito confirmado pelo Registro Geral do Hospital das Clínicas à zero hora desta sexta, 4. 

De acordo com as informações dadas à reportagem diretamente na portaria do HC, os pais haviam sido informados e estavam adiantando os documentos para a liberação do corpo. A agência JOY Model Management havia informado às 22h13 sobre o óbito. Mas a assessoria do centro médico manteve a informação de que, até o boletim das 22 horas, ainda não havia sido registrada a morte. Thiago Bonduky, relações-públicas e amigo da modelo, lamentou a morte.

A ciclista nasceu em Soledade, no Rio Grande do Sul, morava sozinha em São Paulo e fazia trabalhos como modelo para a JOY. Ela tinha sido capa de duas edições da revista Women's Health e uma da Boa Forma. Se não fosse o contato com o trabalho, a jovem poderia não ter sido localizada pela família após o acidente, cujas causas ainda devem ser investigadas. 

Nesta quinta, um agente de trânsito registrou os semáforos – incluindo os dos ciclistas – no cruzamento da Faria Lima com a Rua Chopin Tavares de Lima para análise. A Prefeitura não disse se haverá alterações no local.

A polícia suspeita de que Mariana tenha desrespeitado o sinal vermelho para bikes. Ela trafegava pela ciclovia no sentido Praça Pan-Americana e atravessou o cruzamento. O motorista estava no mesmo sentido pela avenida e fazia uma conversão à esquerda, no momento em que atingiu a modelo com a parte esquerda do veículo. O caso foi registrado no 14.º DP (Pinheiros) como lesão corporal culposa (sem intenção).

No boletim de ocorrência, o motorista do ônibus afirmou que a vítima “não observou o semáforo fechado para ela e atravessou a via”. Dois peritos da Polícia Científica foram até o cruzamento e relataram no documento que “possivelmente a vítima não observou o semáforo desfavorável”. 

Nesta quinta, o prefeito Fernando Haddad (PT) comentou o acidente. “Vamos aguardar esse inquérito, vamos verificar o que aconteceu. Vamos deixar a perícia avaliar antes de ficar prejulgando o comportamento seja do motorista, seja da ciclista.”

Capacete. Para Daniel Guth, diretor do Associação dos Ciclistas Urbanos, o cruzamento onde Mariana foi atropelada é confuso. Ele disse que o capacete, que ela não usava, poderia ser indiferente. “Se estivesse usando, o próprio equipamento poderia dar essa lesão.” 

Dirceu Rodrigues Alves Junior, do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), concordou e disse que o equipamento protege apenas a parte superior da cabeça e “não o crânio todo”. / COLABORARAM RAFAEL ITALIANI e JULIANA DIÓGENES

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulociclovia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.