Morre bombeiro baleado quinta-feira na porta de casa

Foi o 2º assassinato de PMs desde anteontem; na mesma noite, um sargento foi atingido por vários tiros em um bar

RICARDO VALOTA, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2012 | 03h05

O soldado do Corpo de Bombeiros Osvaldo Piedade, de 44 anos, morreu na madrugada de ontem no Hospital Santa Marcelina depois de ser atingido com três tiros por criminosos na noite de quinta-feira. Foi a segunda morte de policial militar desde anteontem.

Piedade estava aposentado e foi assassinado na porta de casa, às 19h30, em Artur Alvim, na zona leste. Ele foi atacado por ocupantes de um Gol. Os autores do homicídio continuam foragidos.

Ele ainda foi atropelado pelos criminosos. A Polícia Militar informou também que o soldado estava afastado havia 10 anos da corporação por problemas psiquiátricos - como o afastamento foi superior a dois anos, ele ganhou direito a aposentadoria.

Ainda na quinta à noite, às 23h, o sargento Luiz Antonio de Souza, da 2.ª Companhia do 13.º Batalhão, foi assassinado em um bar da Avenida 9 de Julho, na região central. Dois homens desceram de um Tucson e efetuaram vários disparos. Além do PM, outro cliente do local foi baleado, mas não corre risco. O militar morreu antes de chegar ao hospital.

Com a execução dos dois soldados, já são 83 PMs mortos no Estado desde o começo do ano. Desses, 40 foram executados e estavam na ativa. Outros 5 eram da reserva. Ainda segundo a SSP, 27 das mortes ocorreram depois que PMs reagiram a assaltos.

Segundo o coronel Marcos Chaves, as mortes não mudam o planejamento da PM em São Paulo. "Estamos passando instruções recomendando atenção e o que fazer em casos suspeitos."

O deputado Major Olímpio Gomes (PDT) afirmou estranhar a falta de reação do governo do Estado diante das mortes. "Não vi nenhum preso ser transferido. A penitenciária com Regime Disciplinar Diferenciado (em Presidente Bernardes) é a única no Estado com vagas sobrando. Há 60 vagas e 23 presos."

Morte de suspeito. Um rapaz suspeito de participar do assassinato de um policial militar morreu em suposta troca de tiros com a PM na noite de quinta-feira na Favela Elba, em Sapopemba, zona leste. O rapaz era suspeito de participar da morte do soldado Vaner Dias, de 35 anos, ocorrida em junho. / COLABOROU BRUNO PAES MANSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.