Morre bebê agredido com paulada na cabeça durante briga em Barrinha-SP

Criança não resistiu ao ferimento e faleceu na tarde deste sábado, dia 10; acusado, pintor Sérgio Rossin, o Nikito, está foragido

Sandro Villar, O Estado de S. Paulo

10 Janeiro 2015 | 21h43

 Depois de ser agredida com uma paulada na cabeça na terça-feira, durante briga de vizinhos em Barrinha (SP), a bebê Lorenna Cordeiro Thimóteo, de cinco meses, morreu na tarde deste sábado, 10, no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, no norte paulista. Ela estava internada em estado grave na Unidade de Emergência. "A criança deu entrada às 22h50 de terça-feira com traumatismo craniano e seu estado era grave", resumiu Daniel Araújo dos Reis, de 27 anos, escriturário do HC.

O acusado pela morte da menina é o pintor Sérgio Rossin, o Nikito, cuja idade não foi divulgada pela polícia. A tragédia começou quando, na noite de terça-feira, o pintor chegou de carro à casa da ex-mulher, Daiane Gomes, vizinha da família da menina. 

Ao descer do carro, Nikito pegou um pedaço de pau no porta-malas e partiu para cima de um adolescente de 16 anos, irmão de Flávia Thimóteo, mãe de Lorenna. O pintor suspeitava que o menor estava tendo um caso amoroso com a ex-mulher.

Com a filhinha no colo, Flávia tentou defender o irmão e foi atingida no braço. Na confusão, uma das pauladas atingiu a cabeça da bebê. Vizinhos socorreram a criança, que foi atendida no Pronto-Socorro de Barrinha. Como seu estado era grave, a criança foi encaminhada para o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.

Fuga. Após o crime, o pintor fugiu e, até agora, seu paradeiro é ignorado. "Ele está foragido, é uma pessoa conhecida na cidade por seu trabalho como pintor. Dava sinais de que era um rapaz tranquilo", diz Wanderlei Garbeline, de 40 anos, cabo da Polícia Militar de Barrinha, lembrando que outro caso semelhante aconteceu na cidade no ano passado. "A criança sobreviveu", completa.

Nikito está com a prisão temporária decretada. A decisão é da Justiça de Sertãozinho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.