Morre ator que se enforcou em peça

Tiago Klimeck, de 27 anos, ficou 16 dias em coma após se acidentar quando interpretava Judas Iscariotes em Paixão de Cristo no interior

SANDRO VILLAR, ESPECIAL PARA O ESTADO, PRESIDENTE PRUDENTE, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2012 | 03h06

Depois de 16 dias internado em estado gravíssimo na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Itapeva, no interior paulista, o ator Tiago Klimeck, de 27 anos, morreu às 17h15 de ontem. Klimeck se enforcou acidentalmente durante uma apresentação da Paixão de Cristo na noite do dia 6 de abril, quando interpretava o personagem Judas Iscariotes. Ele teria se confundido com os nós da corda no cenário.

A morte foi anunciada em um comunicado da Santa Casa. Apesar das lesões cerebrais, um exame realizado na quinta-feira apontou que o ator tinha atividade cerebral e até mexeu um braço, o que deu esperanças à família. Um cunhado chegou a dizer que a família acreditava na recuperação de Klimeck, cujo drama começou na Sexta-Feira Santa, na cidade de Itararé.

Por volta das 22 horas, interpretando o personagem Judas, ele saltou de uma cadeira que imitava uma pedra, simulando o enforcamento do personagem. O cordão do colete de segurança estaria frouxo, subiu quando ele saltou e o asfixiou, segundo a Polícia Civil de Itararé. O ator ficou pendurado e desmaiado por quatro minutos, sem que os outros atores notassem.

Fotografias feitas durante a apresentação da peça mostram Klimeck se preparando para a cena e depois enforcado. Como continuava inconsciente, ele foi socorrido pelo restante do elenco. Um comerciante da Praça da Matriz de Itararé, onde a Paixão de Cristo estava sendo encenada, cortou o cordão que estava em volta do pescoço do jovem.

Atendimento. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) levou Klimeck para a Santa Casa de Itararé, de onde ele foi transferido para a Santa Casa de Itapeva no dia seguinte. Desde então, ele estava internado em estado gravíssimo e em coma profundo, respirando com a ajuda de aparelhos. Antes do exame de quinta-feira, uma tomografia revelou que o ator tinha lesões no cérebro, causadas pela falta de oxigênio.

A polícia já ouviu cinco testemunhas. Até o comandante do Corpo de Bombeiros da região, sargento Eduardo Seiji, de 38 anos, prestou depoimento, já que foi a corporação que emprestou o equipamento de segurança para o ator. O empréstimo foi confirmado pelo oficial, que não dá entrevistas por ordem de seus superiores de Sorocaba, onde o equipamento vai passar por perícia no Instituto de Criminalística (IC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.