Divulgação
Divulgação

Morre ator enforcado na 'Paixão de Cristo'

Thiago Klimeck se enforcou acidentalmente durante encenação em 6 de abril, em Itararé

Sandro Vilar, Especial para O Estado de S. Paulo, Atualizado às 21 horas para acréscimo de informação

22 Abril 2012 | 19h36

PRESIDENTE PRUDENTE - Depois de 16 dias internado em estado gravíssimo na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Itapeva, no interior paulista, o ator Tiago Klimeck, de 27 anos, morreu às 17h15 deste domingo. Klimeck se enforcou acidentalmente durante uma apresentação da Paixão de Cristo na noite do dia 6 de abril, quando interpretava o personagem Judas Iscariotes. Ele teria se confundido com os nós da corda no cenário.

A morte foi anunciada em um comunicado da Santa Casa. Apesar das lesões cerebrais, um exame realizado na quinta-feira apontou que o ator tinha atividade cerebral e até mexeu um braço, o que deu esperanças à família. Um cunhado chegou a dizer que a família acreditava na recuperação de Klimeck, cujo drama começou na Sexta-Feira Santa, na cidade de Itararé.

Por volta das 22 horas, interpretando o personagem Judas, ele saltou de uma cadeira que imitava uma pedra, simulando o enforcamento do personagem. O cordão do colete de segurança estaria frouxo, subiu quando ele saltou e o asfixiou, segundo a Polícia Civil de Itararé. O ator ficou pendurado e desmaiado por quatro minutos, sem que os outros atores notassem.

Fotografias feitas durante a apresentação da peça mostram Klimeck se preparando para a cena e depois enforcado. Como continuava inconsciente, ele foi socorrido pelo restante do elenco. Um comerciante da Praça da Matriz de Itararé, onde a Paixão de Cristo estava sendo encenada, cortou o cordão que estava em volta do pescoço do jovem.

Atendimento. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) levou Klimeck para a Santa Casa de Itararé, de onde ele foi transferido para a Santa Casa de Itapeva no dia seguinte. Desde então, ele estava internado em estado gravíssimo e em coma profundo, respirando com a ajuda de aparelhos. Antes do exame de quinta-feira, uma tomografia revelou que o ator tinha lesões no cérebro, causadas pela falta de oxigênio.

A polícia já ouviu cinco testemunhas. Até o comandante do Corpo de Bombeiros da região, sargento Eduardo Seiji, de 38 anos, prestou depoimento, já que foi a corporação que emprestou o equipamento de segurança para o ator. O empréstimo foi confirmado pelo oficial, que não dá entrevistas por ordem de seus superiores de Sorocaba, onde o equipamento vai passar por perícia no Instituto de Criminalística (IC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.