Morcego morde criança em buffet infantil em Campinas

Garoto de 9 anos estava na piscina de bolinhas; prefeitura convocou 17 crianças e 3 funcionários do local para tomar vacina antirrábica

Gheisa Lessa,

16 Outubro 2012 | 13h42

SÃO PAULO - Após um morcego morder uma criança de 9 anos dentro de um buffet infantil na última sexta-feira, 12, em Campinas, a Secretaria de Saúde da cidade no interior de São Paulo convocou 17 crianças e três funcionários do local para tomar vacina antirrábica.

O animal estava dentro da piscina de bolinhas do empreendimento. Todos que entraram no brinquedo deverão passar pelo procedimento, alertou o órgão nesta segunda-feira, 15.

A festa aconteceu na tarde de sexta-feira. O menino foi mordido no tornozelo pelo morcego. Após a mordida, o garoto foi levado pela família até o Hospital das Clínicas, na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Uma das funcionárias do salão colocou o morcego, ainda vivo, dentro de um recipiente de vidro e também o levou para a unidade de saúde.

A médica veterinária e coordenadora da aérea técnica de zoonoses do Departamento de Vigilância e Saúde de Campinas, Andrea Von Zuben, disse que todas as crianças que entraram na piscina devem passar pelo procedimento de precaução: tomar cinco doses de vacina antirrábica e soro.

Das 17 crianças presentes na festa, 14 entraram na piscina de bolinhas. A maioria delas, segundo a secretaria, já foi ao hospital tomar a primeira dose.

As doses são aplicadas de forma espaçada e o procedimento dura cerca de 45 dias.

Buffet. Os organizadores da festa disseram que o animal invadiu o salão na madrugada de sexta, quando o alarme antirroubo foi acionado. Os responsáveis chegaram a ir até o local, mas por não terem constatado nenhum furto, ignoraram a ocorrência.

Ainda na quinta-feira, um dia antes do acidente, o brinquedo passou por higienização, afirma a Secretaria da Saúde.

O morcego foi encaminhado ao Instituto Pasteur, na Avenida Paulista, região central da capital, para análise. O laudo deve ser expedido em até 45 dias.

Raiva. De acordo com Andre Von Zuben, o animal tem grandes chances de ser portador de raiva, o que exigiu urgência nos atendimentos. A raiva, segundo ela, é uma doença letal.

"Se o menino não tivesse sido levado com urgência ao hospital, e se o morcego tiver raiva, a consequência é a morte. Este animal tem grandes chances de ter a doença porque quando os morcegos apresentam hábitos fora do comum - voando durante o dia, por exemplo - eles estão doentes", explica Andrea Von Zuben.

A raiva é transmitida por um vírus que, por meio do sistema nervoso, pode chegar ao cérebro de um ser humano em até um ano.

"É importante recomendar às pessoas que não toquem em um morcego. Se um cachorro, gato ou animal de estimação entrar em contato com um, o ideal é que procurem qualquer serviço de saúde o mais rápido possível", alerta a especialista.

Mais conteúdo sobre:
morcego raiva campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.