Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Moraes diz 'não ter pressa, mas prioridade' para resolver chacina

Em entrevista à 'Rádio Estadão', secretário também comentou polêmica de 'fatiar' estatísticas estaduais da criminalidade

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 12h10

SÃO PAULO - O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse, nesta terça-feira, 29, não "ter pressa, mas prioridade" em solucionar as chacinas de Osasco e Barueri. Em entrevista à Rádio Estadão,  Moraes disse que a investigação está sendo criteriosa para não haver nenhuma "frustração futura". 

"Isso (a investigação) leva um tempo porque está sendo feita com metodologia, com profissionalismo para quando apresentarmos, e isso está muito próximo de acontecer, as pessoas como os praticantes do crime, podermos ter certeza absoluta que teremos todas as provas para que fiquem presos por muitas décadas", disse Moraes. "Não temos pressa, temos prioridade", completou. 

O secretário disse que já foram apreendidos e analisados 60 aparelhos celulares e que novos chips telefônicos foram apreendidos na semana passada.

Índices de criminalidade. Moraes negou que a secretaria esteja fracionando a divulgação dos dados de criminalidade no Estado, com o anúncio antecipado de dados favoráveis.  

"Eu tenho por lei até o dia 25 de cada mês para divulgar esses dados. Não há em nenhum lugar (a determinação) de que  a divulgacao de todos os dados, de todas as cidades tenha que ser feita junta. Até porque nao há a possibilidade de a sociedade e a imprensa assimilarem todas essas informações em um só momento."

Moraes disse que a Secretaria de Segurança Pública (SSP) continuará a divulgar os dados dessa forma. Os índices de criminalidade do Estado, antes de Moraes assumir o cargo, eram divulgados de uma só vez, no dia 25 de cada mês. Neste mês, as estatísticas da capital foram apresentadas dois dias antes, no dia 23, retendo os dados da região metropolitana e do interior. 

"Temos uma sequencia de atos positivos, mas infelizmente a imprensa acaba só divulgando dois ou três fatos negativos. Em oito meses, tivemos a queda de todos os índices de criminalidade e agora ocorrem fatos negativos, e esses acabam sendo noticiados", disse. 

Ouça abaixo a entrevista do secretário à 'Rádio Estadão':

Tudo o que sabemos sobre:
sspsegurançacriminalidadechacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.