Moradores resgatam cachorra laçada por 'carrocinha' no interior

Cão que protegia morador de rua foi arrastado por vários metros; segundo pessoas que impediram a ação, o animal ficou ferido

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

22 Junho 2015 | 20h38

SOROCABA - Revoltados com o tratamento dispensado a uma cadela de rua, laçada por funcionários do Centro de Zoonoses, moradores intervieram e libertaram o animal, em Salto de Pirapora, interior de São Paulo. O cão foi arrastado por vários metros e, segundo os moradores, ficou ferido. Os servidores registraram boletim de ocorrência e os moradores podem ser processados por desacato. Uma entidade de proteção de animais considera que houve maus tratos e vai levar o caso ao Ministério Público Estadual.

A ação ocorreu na sexta-feira, 18, e foi registrada por uma moradora que, no fim de semana, postou o vídeo na internet. As imagens mostram a cadela com o laço preso ao pescoço sendo arrastada por cerca de 40 metros. Em seguida, vários moradores intervêm, pedindo que o animal seja solto. "Ela está morrendo, solta ela agora", grita uma mulher, segurando a corta e se colocando à frente da equipe da zoonoses, que está acompanhada por um médico veterinário. Outras pessoas se juntam em defesa do cão e o animal acaba sendo libertado.

A cachorra "Preta" pertence a um morador de rua que não estava presente quanto ela foi laçada. De acordo com Vanilda Fernandes, que postou o vídeo, a cadela faz a proteção do morador de rua quando ele está dormindo. Segundo ela, o animal é alimentado pela população e não ataca ninguém. A Associação Amigos da Cidade acredita que os funcionários praticaram maus tratos e vai acionar o Ministério Público Estadual. "Eles não tinham qualquer tipo de equipamento para conter o animal sem machucá-lo", disse a presidente Maria Teresa Pio da Silva. 

A Seção de Zoonoses da prefeitura informou que "o animal é mordedor e agressivo". Segundo a Zoonoses, "o animal convive com um homem em situação de rua e este homem por vezes está embriagado e o animal é incitado a avançar nas pessoas". Ainda segundo a seção, a cachorra mordeu uma pessoa e seria recolhida para ficar em observação pelo risco de raiva. A Zoonoses informou ainda que a equipe que trabalhava no caso fez um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil contra as pessoas que impediram o recolhimento do cão por obstrução de serviço de interesse público e possível desacato. A polícia vai decidir se é caso de abertura de inquérito.

GENTE POR FAVOR VEJAM COMO OS CACHORROS DE SALTO DE PIRAPORA SÃO RESGATADOS PELA CCZ MAUS TRATOS EM CIMA DE MAUS TRATOS NÃO PODEMOS NOS CALAR BANDO FDP MALDITOS "VERMES HUMANOS LIXO" Posted by Vanilda Fernandes on Quinta, 18 de junho de 2015

Mais conteúdo sobre:
Salto de Pirapora

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.