Moradores recebem notícia com ceticismo

Acostumados com congestionamentos quilométricos na Estrada do M"Boi Mirim, moradores da região receberam a notícia da chegada do metrô com desconfiança. O comerciante Daniel Gonçalves, de 27 anos, por exemplo, conta que já cansou de promessas. "Ouço falar do metrô aqui desde que nasci, mas até agora, nada", afirma ele.

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

12 Março 2011 | 00h00

Ontem, às 19 horas, a cena era a habitual: uma fila interminável de carros desde a Marginal do Pinheiros. O problema é que a via só tem três faixas, incluindo o corredor de ônibus. Pelas manhãs, a situação é ainda pior. Toda a região depende da via para chegar ao centro ou à Marginal. É um ciclo de problemas: o corredor é mal projetado, não tem ponto de ultrapassagem e os ônibus não andam. Os perueiros, por sua vez, ocupam outra faixa. Sobra só uma pista para todos e o congestionamento é inevitável. "Tomara que demorem só 6 anos com o metrô, e não 15", diz o padeiro Manuel Nunes, de 45.

Ação. O Ministério Público Estadual (MPE) entrou com uma ação civil pública ontem contra as três empresas que formam o Consórcio Leste 4 - responsável pelo transporte coletivo na zona leste. A ação pede o bloqueio de bens das empresas e o pagamento de R$ 30 milhões por danos morais causados aos passageiros, por conta de atrasos, superlotação, direção perigosa, veículos em péssimo estado e mau atendimento dos funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.