Moradores protestam após morte de homem em favela de SP

PM diz que ele reagiu a abordagem e estaria armado; parentes afirmam que ele não era envolvido com o tráfico

Ítalo Reis, da Central de Notícias,

01 de agosto de 2009 | 13h26

Moradores da favela Chica Luísa, na região noroeste de São Paulo, voltaram a protestar na manhã deste sábado, 1º, após um homem morrer em suposto confronto com a Polícia Militar durante a noite de sexta-feira, 31. Um ônibus foi incendiado, e o motorista foi agredido e teve ferimentos provocados pelo fogo. Ele foi levado para o pronto-socorro de Perus e não há informações sobre seu estado de saúde.

 

O protesto começou por volta das 10h30, quando o Corpo de Bombeiros foi chamado para controlar o incêndio e socorrer o motorista do ônibus. De acordo com a PM, por volta do meio-dia a manifestação havia sido encerrada. Não há informações se alguém chegou a ser detido.

 

O mecânico José Valter Vanderlei Ferreira, de 45 anos, morreu após ter reagido a uma abordagem policial, segundo a PM. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu. Amigos e parentes da vítima dizem que ele não tem envolvimento com o tráfico, como afirma a polícia.

 

Durante a madrugada, os moradores da região fizeram outro protesto, atirando pedras contra as viaturas da PM. O caso foi registrado no 46º Distrito Policial, de Perus. Os policiais entregaram um revólver calibre 38, com duas cápsulas deflagradas, e um saco plástico com 220 pedras de crack que estariam com Ferreira.

Tudo o que sabemos sobre:
Favela Chica Luísaprotestotráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.