Taba Benedicto/ Estadão
Taba Benedicto/ Estadão

Moradores ficam divididos sobre construção de arranha-céus no Tatuapé

Enquanto parte usa adjetivos como 'horrível', 'cafona' e 'desnecessário', outra diz que resultado será 'maravilhoso', 'magnífico' e 'top'; maior edifício e mais alto residencial da cidade estão em obras no distrito da zona leste

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2020 | 05h00

A construção de arranha-céus no Tatuapé é tema frequente nas ruas e nas redes sociais de moradores do distrito, que estão divididos. Enquanto parte usa adjetivos como "horrível", "cafona", "desnecessário" e "esquisito", a outra comenta com "maravilhoso”, "magnífico" e "top". Entre as construções em andamento, estão dos futuros maior prédio e mais alto residencial de São Paulo.

Os mais saudosistas lembram de décadas passadas em que a região praticamente não tinha construções verticais. Outros brincam com a situação, dizem que a sombra chegará até outros distritos da zona leste e fazem comparações com Balneário Camboriú, cidade catarinense que concentra os maiores arranha-céus do País, inclusive o recordista nacional, com 280 metros de altura (o mundial fica em Dubai, com 829m).

Morador do distrito, o urbanista Lucas Chiconi é crítico de alguns aspectos dos projetos, especialmente após um dos empreendimentos do Eixo Platina demolir um terço de uma antiga vila. "Era um dos nossos referenciais mais afetivos", diz sobre o conjunto, cuja maior parte restante foi posteriormente derrubada por outro proprietário sem ligação com a incorporadora. 

Ele também lamenta que esse aumento do interesse pelo Tatuapé leve ao encarecimento do custo de vida local, o que afirma já ocorrer com a saída de moradores para bairros mais distantes. "Esse progresso é para quem? O preço das coisas está aumentando", questiona. 

Também urbanista e da região, Cirlene Mendes da Silva é mais otimista em relação aos projetos e fala do potencial para aproximar a moradia do emprego, mantendo a população da zona leste na zona leste. Ela destaca que o distrito começou a se verticalizar mais a partir dos anos 90.

O movimento - no começo mais pronunciado no bairro Anália Franco -, ganhou reforço no comércio e serviços paulatinamente, em especial após inaugurações de shoppings. Antes disso, a chegada do metrô já havia transformado a região.

"O Tatuapé sempre teve uso preponderantemente residencial. Desde a década 70/80, muita gente de outros bairros da zona leste ia ao Tatuapé pela maior oferta desses serviços e comércio", diz. "Havia prédios comerciais mais esporádicos, mas não corporativos para empresas grandes, multinacionais. Tinha escritórios com médico, dentista, advocacia. Dentro da zona leste, é o distrito com maiores condições, vai trazer outro padrão para o Tatuapé."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.