Moradores fazem protesto contra enchentes na zona leste

Dois ônibus e um caminhão foram incendiados; polícia continua na região na manhã desta quarta-feira

Ricardo Valota e Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

24 Fevereiro 2010 | 01h55

Tropa de choque da Polícia Militar e moradores entraram em confronto

 

SÃO PAULO - Revoltados com o prejuízo material causado pelo transbordamento de um córrego toda vez que chove forte na região, pelo menos 250 moradores da Vila Curuçá, no Itaim Paulista, extremo leste de São Paulo, realizaram, entre as 22h45 de terça-feira, 23, e 2h30 desta quarta-feira, 24, uma manifestação violenta na Estrada Dom João Néri, onde foram feitas duas barricadas com objetos queimados, entre os números 2.600 e 3.000 da avenida.

 

A chuva na região teve início antes das 19 horas de terça-feira e, às 19h04, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura colocava o Itaim Paulista em estado de atenção. No início da madrugada, o clima ainda era de muita tensão no local. Qualquer veículo que se aproximava do local era alvo de pedradas. Seis equipes dos bombeiros foram acionadas às 23h48; além de viaturas da Polícia Militar e o helicóptero Águia VI, também da PM.

 

O confronto com a Polícia Militar, que usou balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes, ocorreu na Rua Pontal do Rio Pardo, na altura do nº 3.050 da Estrada Dom João Néri, onde fica o córrego. Dois ônibus da Viação Itaim Paulista (VIP) e um caminhão também foram incendiados pelos moradores. Segundo a PM, ninguém foi preso.

 

POLICIAMENTO

 

Policiais militares prosseguiam na região do Itaim Paulista, na zona leste de São Paulo, por volta das 10h15 desta quarta-feira, 24.

 

Segundo a Polícia Militar, o patrulhamento está sendo feito pelo batalhão local.

 

Texto atualizado às 10h39.

Mais conteúdo sobre:
chuva protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.