Moradores fazem ato pela paz e diminuição da maioridade

Moradores, amigos e simpatizantes farão uma passeata pela paz hoje, 30, às 16h30 no Jardim Hollywood, onde a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza foi assassinada na quinta-feira, 25. Segundo Mônica Formigoni, jornalista esportiva e uma das organizadoras, o caso chocou os moradores da região, grande parte deles aposentados. Eles pedirão também a diminuição da maioridade penal.

André Cabette Fábio,

30 de abril de 2013 | 15h33

O ato partirá de uma praça na esquina entre a rua Warner e a Copacabana em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, logo em frente à casa onde a dentista vivia e trabalhava. De lá, andará cinco quadras até a Rodovia Anchieta. “Todos estarão de camiseta branca pedindo paz. E para ter paz, tem que realizar algumas reformas no Código Penal, como baixar a maioridade. Do jeito que está, ninguém aguenta mais”, diz Mônica. Segundo ela, há pessoas vindo de outros bairros e mesmo de São Paulo para participar. Como grande parte dos frequentadores são idosos, o ato não deve durar mais do que uma hora.

Um seminarista de uma igreja da região foi chamado para ajudar a comandar um carro de som que será usado para puxar e apaziguar o grupo. “Está todo mundo muito revoltado. Já vi senhoras de 70 anos falando que paga a bala da polícia para matar eles [os assaassinos]. Pessoas que não saem da igreja”, afirmou. O plano de parar a rodovia foi abandonado e os manifestantes apenas se aglomerarão num ponto de ônibus.

Histórico

Cinthya foi queimada viva por quatro criminosos que invadiram seu consultório na tarde de quinta-feira. Ela foi rendida e teve suas mãos amarradas nas costas por dois deles, que a embeberam em álcool e a ameaçaram com um isqueiro. Os outros dois partiram para tentar sacar dinheiro de sua conta.

Quando recebeu a notícia de que ela tinha apenas R$ 30 em sua conta, um dos que a mantinham em cativeiro, um adolescente de 17 anos, ateou fogo em Cinthya. Todos os acusados foram presos e o caso está sendo usado como argumento por regras mais rígidas contra infratores e pela diminuição da maioridade penal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.