Moradores do Morumbi conseguem perícia no monotrilho

Moradores do Morumbi travam na Justiça uma briga contra o projeto da Linha 17-Ouro do Metrô (Jabaquara-São Paulo/Morumbi). A pedido da Sociedade dos Amigos da Vila Inah (Saviah), na região do Morumbi, zona sul, o juiz da 3.ª Vara da Fazenda Pública, Luis Manuel Fonseca Pires, nomeou o perito Luiz Paulo Gião de Campos para avaliar o impacto do monotrilho, orçado em R$ 3,2 bilhões.

CAIO DO VALLE / JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2012 | 03h03

Para a entidade, a linha degradará o entorno, porque é elevada. A associação defende uma linha subterrânea. "Por que não fazem metrô pensando 30 anos à frente, e não no momento?", diz Sílvio Teixeira Júnior, presidente da Saviah.

O pedido da perícia é um novo "capítulo" da ação civil pública movida em 2010 pela associação, que chegou a obter uma liminar suspendendo a obra. Em junho passado, a decisão caiu.

Existem ainda pendências para o licenciamento. Segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, foram requisitadas ao Metrô no dia 24 "informações complementares" do projeto, "uma vez que as respostas encaminhadas" em novembro passado "não atenderam completamente às solicitações".

"Tanto a associação de moradores quanto o Ministério Público terão oportunidade de avaliar o trabalho pericial", destaca o advogado Leonardo Rangel.

Discorda. Em nota, a estatal informou que a linha atenderá à demanda diária prevista de 252,5 mil pessoas. A linha terá 17,9 quilômetros e 18 estações. Sobre a decisão judicial, o texto diz que o Metrô, "sempre respeitando posições jurídicas" e "firme na defesa da legalidade e adequação do modal escolhido, verificará se é caso ou não" de recorrer.

Na semana passada, o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, disse estar "preocupadíssimo" com a demora para o licenciamento. "O que me parece, olhando de fora, é que há lobbies. Os moradores mais organizados, de uma forma não explícita, estão, por meio de órgãos, tentando criar dificuldades."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.