Moradores do Jd. Romano são cadastrados em lista da CDHU

Cerca de 4.500 famílias terão direito a auxílio aluguel e outros benefícios; número de cadastrados pode subir

Maíra Teixeira, da Central de Notícias,

26 Janeiro 2010 | 11h16

A Prefeitura de São Paulo cadastrou 4.500 famílias da região do Jardim Romano e Jardim Helena, na zona leste, para recebimento de auxílio aluguel e ter direito a um apartamento da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). A última atualização desse balanço foi feita na quinta-feira, 21, mas o número deve ser maior devido as chuvas do três últimos dias.

 

"A maior dificuldade enfrentada para retirar os moradores da área de risco é que a população não acredita que ganhará um imóvel", informou a assessoria de imprensa da Prefeitura. A população da região de São Miguel Paulista sofre, desde o dia 8 de dezembro, com o alagamento das ruas. A Prefeitura não tem uma solução para o problema no Jardim Romano, pois o bairro fica em uma região de várzea e o plano da administração é construir um parque linear no local assim que todas as famílias forem retiradas de lá.

 

Segundo a Prefeitura, essas famílias cadastradas terão preferência na fila dos imóveis da CDHU que já estão em construção. Estimativas apontam que elas terão outro imóvel no período de 1 a 3 anos. O auxílio aluguel é de R$ 300 mensais, e mais R$ 200, no primeiro mês, para realizar a mudança.

 

Desde o domingo, temporais deixaram boa parte da região de São Miguel Paulista alagada, segundo a Defesa Civil municipal. Além do Jardim Romano e Jardim Helena, muitas ruas estão alagadas nos bairros Várzea do Tietê e Vila Aimoré. Ontem, 20 casas foram inundadas - 17 na Cidade Tiradentes e três em Guaianases.

 

Na noite de ontem, vários moradores do Jardim Romano realizaram uma série de protestos reclamando das inundações na região. Segundo a Polícia Militar, não houve confronto, nem vítimas. A PM não soube informar uma estimativa de quantas pessoas participaram das manifestações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.