José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Moradores de São Paulo reclamam de água com 'gosto de barro'

Segundo eles, o odor éde produtos químicos; governador garante que, se não tem qualidade, o produto não é distribuído

MARÍLIA MARASCIULO, MATEUS LUIZ DE SOUZA e MATHEUS MARTINS FONTES, Especiais para O Estado

06 de novembro de 2014 | 02h03

SÃO PAULO - Moradores de quatro regiões de São Paulo relataram mudanças na cor, no cheiro e no gosto da água que chega a suas casas. Segundo eles, o líquido está esbranquiçado, com odor forte de produtos químicos e gosto de barro. A reportagem ouviu relatos no Bosque da Saúde, zona sul, Vila Nova Cachoeirinha, zona norte, Tatuapé, zona leste, e Vila Romana, zona oeste.

O problema ocorre há pelo menos três meses, de acordo com os moradores. Além disso, eles afirmam que são registrados cortes de abastecimento de água no período da noite, que dura entre 18h e 20h até 5h e 7h.

A Sabesp informou que "não constam reclamações dos moradores dos endereços citados pela reportagem em sua central de atendimento 195". "Como o jornal não ofereceu prazo, a companhia não teve como deslocar equipes para fazer em tempo as vistorias nos locais. As visitas serão feitas e a empresa se compromete a posteriormente prestar as informações", afirmou em nota. Na terça-feira, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) havia dito que tais problemas aconteceram na zona sul por um caso específico de alteração de sistemas. Ele disse ainda que, se não tiver qualidade, a água não é distribuída.

Um dos moradores que enfrentam essa situação, Filipe Berndt, do Bosque da Saúde, contou que, desde o último mês, a água está mais esbranquiçada e com cheiro forte. Além de filtrar a água diretamente no registro, ele usa um filtro comum de barro. Passou também a comprar água mineral para beber e cozinhar. "Esses dias gastei R$ 35 de água, isso é mais que minha conta mensal", diz.

Morador da Vila Nova Cachoeirinha, Antonio Dvorzak tem reclamações semelhantes. Segundo ele, assim que o volume morto começou a ser usado, a água passou a sair leitosa da torneira e, agora, é preciso esperar antes de consumir. Dvorzak afirmou também que passou um domingo inteiro com as torneiras secas. "Foram mais de 36 horas sem água", reclamou.

Com as mesmas queixas, Eric Caputo, morador do Tatuapé, descreve o abastecimento em sua casa: "Quando a água volta, vem branca e com gosto de barro". Na Vila Romana, Ricardo Tavares diz ter o mesmo problema.

Tudo o que sabemos sobre:
crise hídricaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.