Moradores de residencial votaram 'mudança' de bairro

No Liv Barra Funda, chegou-se a cogitar troca de nome, para Perdizes, por exemplo; no fim, ficou a denominação original

CAMILA BRUNELLI, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2012 | 02h05

Entre os moradores do Condomínio Liv Barra Funda, localizado entre a estação de metrô de mesmo nome e a Avenida Francisco Matarazzo, houve uma polêmica na época da entrega das unidades. Por meio de um grupo de e-mail com cerca de 80% dos moradores dos 400 apartamentos, especulou-se em qual bairro estavam. Barra Funda? Perdizes? Água Branca? Uma enquete foi realizada para que os participantes do grupo trocassem o nome para Liv Parque da Água Branca, Liv Perdizes, Liv Tagipuru, Liv Água Branca ou somente Liv.

O nome mais votado foi o primeiro, mas a ideia não foi para frente. "Quando você pensa em Barra Funda, pensa no Fórum (Criminal), na rodoviária, mas não nesse canto. Mas, pô, a gente tá na esquina do metrô. Mudar o nome para Liv Perdizes acho que é forçar a barra", diz a advogada Bianca Berberian, de 31 anos, que mora no condomínio.

Para o DJ Rogério Rosa, de 36 anos, tanto faz como o condomínio se chama. Ele também diz que não acredita em uma grande valorização do imóvel por causa disso. "Comprei aqui por R$ 240 mil, mas há quem diga que o apartamento esteja valendo R$ 1 milhão. Eu nunca vi ninguém vender por esse preço."

Rosa sempre viveu na zona norte e mudou para o prédio porque é DJ, trabalha à noite e precisa de fácil acesso para outros bairros. "Não adianta trocar o nome do prédio para Liv Nova Perdizes e a nossa rua continuar alagando toda vez que chove. Tenho amigos que estacionaram aqui e viram seu veículo encher de água."

Rosa tem um apartamento em um edifício ao lado do Shopping Bourbon. "Estão dizendo que lá é Nova Perdizes, mas, na verdade, é Pompeia e alaga a rua toda vez que chove", disse. "Aquele condomínio ao lado do Viaduto Pompeia também estão falando que é Nova Perdizes. Se no Shopping Bourbon não é, imagine lá."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.