DANIEL TEIXEIRA/ESTADO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADO

Moradores de prédio que desabou se recusam a deixar Largo do Paiçandu

Prefeitura pretende levar famílias com crianças para espaço no bairro Bela Vista

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

02 Maio 2018 | 16h53

Moradores do prédio que desabou na madrugada desta terça-feira, 1, permanecem acampados perto da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Paiçandu, região central de São Paulo. Eles ergueram lonas e amarraram cordas aos postes.

A Defesa Civil e a Prefeitura de São Paulo negociam a retirada de famílias com crianças do local, mas os moradores se recusam a deixar o espaço. Uma pequena tensão teve início no local na tarde desta quarta-feira, 2, e policiais militares afastaram a imprensa. 

++ Bombeiros confirmam, oficialmente, quatro desaparecidos no desabamento do prédio

A Prefeitura quer levar os moradores para o Centro de Inclusão pela Arte, Cultura, Trabalho e Educação (Cisarte), localizado no Viaduto Pedroso, número 111, no Bela Vista, a cerca de três quilômetros do local. Uma Kombi está a postos para fazer o transporte.  

Funcionários da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) conversavam, na tarde desta quarta-feira, com as lideranças do movimento para tentar retirá-los do local, afirmando que todos poderão ser trazidos de volta nesta quinta. 

++ Excesso de doações a vítimas de desabamento faz igreja fechar as portas

++ Procurador chama lideranças sociais para discutir moradia no centro de São Paulo

Em meio às barracas de acampamento no Largo do Paiçandu, com crianças e mulheres deitadas em colchões, há bastante lixo espalhado. O clima é de tensão e atrai curiosos desde as primeiras horas da manhã. 

No início da tarde, lonas foram erguidas e presas às paredes da igreja. O cenário é de sujeira, com pedaços de comida no chão. Montanhas de sacolas e caixas de papelão com doações estão lotando a escadaria de entrada da igreja, que está de portas fechadas desde o início do dia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.