Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Moradores de Paraisópolis e do Morumbi defendem criação de subprefeitura

Ideia é facilitar administração entre os bairros vizinhos, hoje divididos entre as gestões regionais do Campo Limpo e do Butantã

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2019 | 11h40
Atualizado 10 de dezembro de 2019 | 06h27

SÃO PAULO - Os moradores de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, querem se unir com os vizinhos do Morumbi para conseguir uma antiga reivindicação: a criação de uma subprefeitura que englobe os dois bairros.

"Essa é uma agenda comum (entre Paraisópolis e Morumbi), que une o bairro. Então, vamos defender a criação dessa subprefeitura", afirmou o líder comunitário de Paraisópolis Gilson Rodrigues

Atualmente, Paraisópolis está dividida entre duas subprefeituras, já que o distrito da Vila Andrade, onde está localizada a maior parte da comunidade, pertence à Subprefeitura do Campo Limpo, na zona sul; enquanto o distrito do Morumbi, à Subprefeitura do Butantã, na zona oeste. 

"(Defendemos) uma subprefeitura única para que consiga dar conta da demanda tanto de Paraisópolis quanto do Morumbi", afirmou o líder comunitário.

Conforme o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, a proposta será discutida com o prefeito Bruno Covas (PSDB).

"Vamos fazer um estudo técnico e voltar a debater com a sociedade", afirmou Modonezi após se reunir com moradores de Paraisópolis.

Hoje, a cidade de São Paulo dispõe de 32 subprefeituras. A mais recente é a de Sapopemba, na zona leste, criada em 2013 pelo então prefeito Fernando Haddad (PT). Foi a única unidade administrativa regional nova desde o início da divisão da capital em subprefeituras, em agosto de 2002, na gestão da prefeita Marta Suplicy (PT).

Cada uma das subprefeituras tem dotação orçamentária própria e autonomia para despesas operacionais, administrativas e de investimento, além de participação na elaboração da proposta orçamentária da Prefeitura.

Vídeo

Moradores de Paraisópolis e do Morumbi se reuniram nesta segunda-feira, 9. Segundo Rodrigues, o objetivo é construir uma agenda comum que beneficie os dois bairros. 

Depois da ação policial que terminou com a morte de nove pessoas pisoteadas durante um baile funk, trechos do documentário Entremundo - Um dia no bairro mais desigual do mundo circularam nas redes sociais e provocaram revolta dos moradores de Paraisópolis.

Veja abaixo trechos do documentário:


No filme, moradores do Morumbi defendem ações policiais violentas na comunidade vizinha. Um homem chega a dizer que "se tivesse um Batman só na rua ia matar todo mundo".

"Esse vídeo causou bastante revoltada dos moradores de Paraisópolis trazendo uma discussão grande, e a gente sentiu que a situação de ódio aumentou", afirmou Rodrigues. "Isso atrapalha porque estamos no mesmo bairro. O que acontece em Paraisópolis também influencia no Morumbi - e vice-versa."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Isso atrapalha porque estamos no mesmo bairro. O que acontece em Paraisópolis também influencia no Morumbi - e vice-versa
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gilson Rodrigues, líder comunitário de Paraisópolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.