José Luis da Conceição/AE
José Luis da Conceição/AE

Moradores de casas incendiadas em Diadema voltam em 15 dias

Produtos químicos ainda são retirados de fábrica que deu início a incêndio; 36 pessoas ficaram desalojadas

Carolina Dall´olio, Jornal da Tarde

28 Março 2009 | 13h08

A Cetesb ainda retira produtos químicos da empresa Di-All Química, que na sexta-feira, 27, deu início a grande incêndio em Diadema que danificou outros dois prédios comerciais e sete casas. A Defesa Civil só deixa os moradores das residências atingidas entrarem para pegar pequenos pertences, e a previsão para a liberação da área é de pelo menos 15 dias, segundo o secretário de Defesa Social, José Francisco Alves.

 

Veja também:

mais imagens Galeria: veja as fotos do incêndio no galpão em Diadema

linkApós quatro horas, fogo é controlado em galpão em Diadema

 

Enquanto isso, de acordo com o secretário, os moradores receberão um auxílio aluguel de R$ 300 em média, além de uma cesta básica. Um laudo do Instituto de Criminalística com as causas do incêndio deve sair em 30 dias. Ao todo, 36 pessoas ficaram desalojadas.

 

Três escolas públicas próximas também tiveram de ser fechadas. Entre as 18 pessoas retiradas do local para atendimento médico, havia um bombeiro e 17 moradores. Uma pessoa teve crise convulsiva e três tiveram crises nervosas. Segundo a prefeitura de Diadema, todos passavam bem.

 

A rua mais atingida pelas labaredas foi a Henrique de Léo, nos fundos da empresa - ali, o fogo que desceu a via derreteu o asfalto, queimou cinco árvores, duas lixeiras e seis postes, e tingiu de preto as fachadas de casas distantes até 200 metros do foco do incêndio.

 

Segundo a prefeitura, a empresa Di-All Química estava legalizada: tinha alvará de funcionamento, auto de vistoria dos bombeiros (válido até 2011) e certificado de dispensa de licença ambiental pela Cetesb (foi dispensada pois declarou como atividade fim apenas "comercialização e distribuição de produtos de limpeza", não passível de crime ambiental).

 

Após análise preliminar, porém, a própria Cetesb admitiu que a Di-All poderia estar desrespeitando sua atividade fim - armazenando produtos inflamáveis utilizados para outra razão, diferente da declarada.

 

(Com Hugo Brandalise e Marcela Spinosa, do Jornal da Tarde)

Mais conteúdo sobre:
Diademaincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.