Moradores das casas atingidas por jato cobram providências

Em comunicado, moradores afirmam que já foram orientados sobre seus direitos

08 de novembro de 2007 | 20h06

Os moradores das casas atingidas por um Learjet na tarde de domingo, 4, na Casa Verde, enviaram um comunicado à imprensa em que afirmam que estão "aguardando as providências" para que suas vidas "voltem ao 'normal'". Ainda de acordo com a nota, eles tiveram reunião com a Defensoria Pública do Estado, na qual foram orientados sobre seus direitos. Na tarde desta quinta-feira, por causa da chuva, A vistoria das casas que seria feita na tarde desta quinta-feira pelos proprietários e pelos peritos da Unibanco AIG e da seguradora da Reali Taxi Aéreo (empresa dona do jato envolvido no acidente) foi adiada para sexta devido à forte chuva que caiu na capital paulista. O objetivo da vistoria é levantar os bens materiais danificados pela queda do avião. Leia, abaixo, a íntegra da nota: "Notificação referente às casas de n: 104, 118,120 e 126. Viemos por meio desta notificar os meios de comunicação que, embora estejamos muito abalados com o desastre, estamos aguardando as providências para que nossas vidas voltem ao 'normal'. Estamos acolhidos no hotel, assistidos pela Polícia Civil, Militar, Defesa Civil e pela Reali Táxi Aéreo. Dia 07/11/07 tivemos reunião com a Defensoria Pública do Estado na qual fomos orientados sobre nossos direitos. Assim que tivermos novas informações comunicaremos à Imprensa. Gratos pela compreensão"

Tudo o que sabemos sobre:
Learjet 35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.