Moradores da área se queixam de remoção arbitrária

No dia 21 de junho, foi realizada audiência pública no Ministério Público Federal com a participação de representantes da prefeitura e de moradores da zona portuária. O tema: denúncias de remoções arbitrárias na região.

Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2011 | 00h00

"Algumas obras vão alcançar assentamentos informais, que vão ser retirados. Nosso papel não é discutir o projeto, mas assegurar o direito à informação e à moradia adequada, além da transparência", diz a procuradora da República Aline Caixeta.

Para a arquiteta Rossana Tavares, do Fórum Comunitário do Porto, a população busca diálogo. "Queremos que haja benefícios para todos, não só para especuladores e aqueles interessados apenas em ganhar dinheiro." Muitas casas ameaçadas de despejo foram marcadas com spray. "Os moradores não estão sendo considerados. É como se estivessem preparando um cenário."

Após a audiência pública, a Secretaria de Habitação criou uma "comissão de prevenção e mediação de conflitos". "Deram uma recuada", diz Maurício Hora, morador da Providência, primeira favela do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.