Moradores culpam ocupações por degradação de Pinheiros

Para líder de movimento, reação é preconceituosa; por sua vez, lojistas queixam-se de furtos e prejuízo ao comércio

Filipe Vilicic, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2010 | 00h00

"Crianças que moram em um cortiço invadido aqui do lado arrombaram a porta da pizzaria e furtaram garrafas de Coca-Cola e moedas", acusou Novella Ciscato, dona de uma pizzaria na Rua João Moura, próxima da invasão da Rua Cardeal Arcoverde, em Pinheiros, zona oeste, onde estão entre 25 e 32 famílias. "A molecada já entrou aqui para furtar um celular", protesta Eduardo Saretta, dono de uma galeria de arte na mesma região.

Vizinhos dos imóveis ocupados dizem que as invasões "deterioraram a região" e "influenciaram no aumento dos furtos e do uso de drogas na área". Em Pinheiros, nos quarteirões entre a Cardeal Arcoverde, a João Moura e a Praça Benedito Calixto, essas consequências ficam evidentes no dia a dia. Ao circular por lá, por exemplo, a reportagem foi abordada por crianças e adolescentes que pediam esmolas, deparou-se com pessoas dormindo em calçadas próximas das ocupações e flagrou jovens consumindo crack.

A empresária Sara Monroe decidiu fechar seu bar na Cardeal Arcoverde por medo do aumento da violência na área. "Neste ano, já invadiram e roubaram meu negócio", contou. "Quando deixava mesas na calçada, crianças pegavam cadeiras, talheres e tudo o mais e saíam correndo."

Alternativas. No mês passado, o dono de uma das galerias encontrou uma forma de impedir a tomada de uma casa na frente do seu estabelecimento, na João Moura. Saretta chamou um grupo de artistas para pintar as paredes do local e criar instalações.

Semanas antes da intervenção, um grupo de sem-teto tentou quebrar a grade de uma das janelas do imóvel, que foi vendido para uma construtora e será demolido para dar lugar a um prédio. Não tiveram êxito. "E desde que pintamos o imóvel, não tentaram novamente."

Outra estratégia é se aproximar dos invasores. "Conversamos bastante com a família e os jovens que entraram em um sobrado aqui da rua", afirmou Saretta. "A proximidade impede que façam alguma besteira e é boa até para eles, que passam a ser mais aceitos no bairro."

Preconceito. Segundo o coordenador do Movimento Sem-Teto do Centro, Hamilton Sílvio de Souza, a reação dos moradores é preconceituosa com os sem-teto, "que são obrigados a habitar pontos degradados e vivem uma vida em meio ao lixo porque não recebem o apoio devido". Ele disse não ter sido informado sobre ocorrências de furtos supostamente cometidos por pessoas ligadas ao movimento. "Incomodados, os vizinhos costumam inventar situações para nos desqualificar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.