Moradores cobram polícia permanente e serviços públicos

Para quem vive no Alemão, melhorias devem ser levadas às favelas para impedir[br]a volta de criminosos

Rodrigo Burgarelli ENVIADO ESPECIAL / RIO, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2010 | 00h00

No dia em que o Complexo do Alemão foi ocupado pela polícia, o clima entre os moradores era de apoio à operação, mas muitos reforçam a importância da manutenção dos policiais para impedir a volta dos traficantes.

O vendedor A.M., de 59 anos, que nasceu na Paraíba, veio morar no Morro da Grota em 1971 e, como ele mesmo define, "sobreviveu a 40 anos de favela". A. disse que não concorda com o clima de exaltação dos policiais. "Eles sempre foram piores que os traficantes quando subiam aqui."

Apesar disso, acha que dias melhores virão se a ocupação continuar. "Sempre pagamos impostos como todo mundo e, por isso, merecemos ter todos os serviços públicos como os outros cidadãos, inclusive a segurança. Só que a polícia estava 30 anos atrasada", afirmou o vendedor.

Outro morador, que não quis se identificar, também considera que a ocupação é positiva, mas precisa vir acompanhada de outras ações do governo. "As coisas aqui só vão melhorar quando trouxerem emprego, escolas, hospitais, esgoto... Agora não tem mais desculpa para não fazer nada", afirmou.

A ocupação também causou revolta a um grupo de cerca de 20 mulheres. Elas reclamavam da detenção de maridos, irmãos e filhos. Algemado em uma Kombi da PM estava o filho da gerente de loja Vânia Cristina da Silva Garcia, de 38 anos. Segundo ela, o rapaz seguia para a casa da avó, moradora da Grota, quando foi abordado por PMs. "Ele estava sem identidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.