Moradores brigam e ganham praça renovada na Vila Anglo

Como voluntários, vizinhos ajudam em obras e rejeitam 1ª inauguração

CRISTIANE BOMFIM, JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2012 | 03h07

Demorou, mas finalmente a Praça Paulo Schiesari, entre as Ruas Rifaina e Pedro Soares de Almeida, será inaugurada como sempre desejaram os moradores da Vila Anglo-Brasileira, na zona oeste de São Paulo.

Por três anos, moradores voluntários e integrantes do Movimento Boa Praça buscaram verbas municipais para a reforma do equipamento, discutiram projetos, acompanharam obras e até fizeram "vaquinha" para pagar pintura e jardinagem.

"A comunidade foi bem 'cricri', participou de tudo e ficou no pé. E, como o orçamento da Prefeitura não foi suficiente para fazer tudo, o grupo se comprometeu a fazer mutirões", afirma o subprefeito da Lapa, coronel Ademir Aparecido Ramos.

O matagal que tomava conta da praça sumiu. Ele foi substituído por bancos e mesas de concreto; os acessos para pedestres são pelas ruas laterais. O playground foi trocado por um novinho.

O movimento pela reforma começou em 2009. "O local estava abandonado, mas só uma reforma não resolveria. Queríamos envolver os moradores", conta o jornalista Ricardo Ferraz, de 36 anos. Tocando campainhas e explicando as ideias, foram buscar recursos com um vereador.

Enquanto a emenda parlamentar de R$ 60 mil não saía, o grupo levantou os desejos dos próprios moradores. O dinheiro saiu, a reforma começou, mas o resultado não agradou. No dia da inauguração - em março de 2010 -, a praça foi "desinaugurada".

"Corremos atrás de mais verbas e conseguimos R$ 100 mil no ano passado para completar a reforma e transformar o tereno baldio ao lado também em praça. A parte mais difícil foi convencer a Prefeitura a nos deixar participar de tudo", afirma o morador Luiz Augusto Pereira Magalhães, de 59 anos. No domingo, na inauguração oficial, os moradores farão piquenique.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.