Nacho Doce/Reuters<br>
Nacho Doce/Reuters

Moradores bloqueiam estrada com barricadas em Itu

Eles tentaram impedir os bombeiros de usarem água, em mais um protesto por causa da seca, o 10º desde junho

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2014 | 22h33


Moradores montaram barricadas e interditaram a Rodovia Marechal Rondon (SP-300), em mais um protesto contra a falta de água em Itu, região de Sorocaba, na noite de segunda-feira. É a 10.ª manifestação na cidade desde junho por causa da falha no abastecimento.

Durante o ato desta terça, em uma das pistas, pneus e paus foram incendiados. A rodovia ficou interditada por mais de uma hora. Cerca de 60 manifestantes tentaram impedir que o Corpo de Bombeiros usasse água para apagar o fogo, gritando em coro: “Queremos água”. A Polícia Rodoviária Estadual negociou a liberação das pistas.

Viaturas da Polícia Militar reforçavam o policiamento nos pontos em que foram instaladas caixas públicas de distribuição para evitar conflitos na disputa pela água. Cinco reservatórios flexíveis, com capacidade para 20 mil litros cada, estavam distribuídos pelos bairros mais afetados.

Na região mais crítica, no bairro Cidade Nova, foi instalado um reservatório com 70 mil litros. Os moradores fizeram fila para pegar água que, segundo eles, chegou a acabar no bairro Novo Itu.

A cidade está em racionamento oficial há nove meses. A falta de água, porém, acontece desde novembro. A pedido do Ministério Público Estadual (MPE), a Justiça fixou multa à prefeitura para cada domicílio que ficar sem água por mais de 48 horas. Em um único dia, foram protocoladas mais de 400 reclamações. Há casos de moradores que relataram estar há mais de 20 dias sem abastecimento.

Emergência. A prefeitura informou que um comitê de gestão da água mantém o abastecimento de escolas, creches e unidades de saúde com caminhões-pipa. Uma frota de 40 caminhões está sendo usada para atender a 17 bairros mais críticos, onde a água não chega pela rede. Segundo a administração, a prefeitura vai decretar estado de emergência ou calamidade pública no momento em que a Defesa Civil do Estado, que acompanha a crise, entender que é necessário. 

O fornecimento de água é feito pela concessionária privada Águas de Itu. A concessionária investe R$ 30 milhões em uma nova captação nos Ribeirões Mombaça e Pau D’Alho, mas a obra só ficará pronta no início do próximo ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise da águaProtestoItuSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.