Moradores ainda reclamam da falta de lixeiras

Para saber o que moradores achavam dos novos serviços de varrição, a reportagem do Estado percorreu 198 quilômetros de ruas em 15 diferentes regiões da cidade de São Paulo entre a manhã de sexta-feira e ontem à tarde. Mais de 30 pessoas foram ouvidas.

O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2012 | 03h05

Apesar de elogios quase unânimes em relação ao novo trabalho dos agentes ambientais, que ganharam o apelido de "verdinhos" por causa da cor do uniforme, alguns moradores seguem reclamando da falta de lixeiras, principalmente em corredores comerciais como Teodoro Sampaio, em Pinheiros, zona oeste, e Largo 13, em Santo Amaro, zona sul.

"Não adianta nada os garis varrerem e as pessoas já sujarem em seguida. A Prefeitura pode colocar um exército de varredores que o problema vai continuar. Precisa ter uma lixeira em cada esquina", reclamou Wilson Bueno, de 61 anos, comerciante em Santo Amaro.

Cerca de 15 mil novos cestos de lixo foram instalados nas ruas de São Paulo em 30 dias. Até o final do atual contrato, em dezembro de 2014, 150 mil lixeiras devem ser colocadas pelos 17 mil quilômetros de ruas da capital paulista.

O volume retirado pelos garis das calçadas (1,9 mil toneladas) todos os dias representa 11% de todo o lixo recolhido das ruas, incluindo a coleta domiciliar. /D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.