Morador vê queda de jato e filma resgate de vítimas em SP

Vinícius Primon mora há 20 anos na região e diz que volume de vôos aumentou no Campo de Marte

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

04 de novembro de 2007 | 17h02

A queda do jato executivo Learjet 35 foi testemunhada pelo analista de sistemas Vinícius Primon, de 29 anos. Morador da zona norte há 20 anos, ele conta que nunca teve medo de morar próximo ao Campo de Marte, mas que há pelo menos cinco anos o volume de pousos e decolagens aumentou no local.   Vídeo do local do acidente  Vídeo das casas atingidas pelo jato  Vídeo do resgate no local do acidente    Veja também: Jatinho cai na zona norte de SP e deixa 8 mortos  Galeria de  fotos  Veja como foi o acidente com o Learjet 35  Piloto foi avisado que estava na direção errada Jato estava com manutenção em dia, diz Anac Após acidente, Jobim quer mais fiscalização  Em uma semana, 4 acidentes aéreos em SP Jornalista testemunha queda de avião   Neste domingo, ele estava vendo televisão com a noiva, no segundo andar de um prédio a cerca de 1 km do Campo de Marte. Observou o jato decolando e, em seguida, inclinando para a direita, perdendo altitude e caindo de bico sobre três casas.   Saiu correndo de casa, já que a avó mora perto do local do acidente. Lá, testemunhou o resgate de algumas vítimas e o desespero de pessoas que tiveram suas casas atingidas. "Ouvi pessoas gritando, de dentro de banheiros, chamando pela ajuda dos bombeiros", conta Primon.   O casal mora há dois meses no prédio, que tem quatro andares. Silvia Moraes, de 24 anos, nasceu no Ceará e morava com o noivo em Natal. "Na semana passada, vi os jatos da Esquadrilha da Fumaça dando rasante perto dos prédios, mas nunca pensei que poderia acontecer um acidente", conta Silvia.   O casal se mudou para São Paulo e conta que não tinha medo de morar próximo ao Campo de Marte. "Já estava acostumado com o barulho de helicópteros e bimotores, não pensei que isso fosse acontecer, sempre acreditei que o Campo de Marte era seguro", conta Primon.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.