Morador doa brinquedos a creche furtada

Bando levou presentes das crianças; homem se comoveu com situação relatada em reportagem

Camilla Haddad, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2010 | 00h00

As crianças matriculadas em uma creche municipal de Cangaíba, na zona leste, não vão passar o Natal sem presentes. Após saber que cem brinquedos tinham sido furtados do local no último sábado, um morador da região, que pediu para não ser identificado, bateu ontem na porta da unidade educacional para doar a mesma quantidade de brinquedos, entre eles bonecas e jogos. Ele se comoveu com a situação retratada ontem no Estado.

Segundo funcionários da creche, o mesmo doador entregou um aparelho novo de DVD e vários filmes infantis e musicais, já que no dia do furto o equipamento que havia na creche também foi levado por criminosos.

Ao todo, cem crianças passam o dia na creche, que tem convênio com a Prefeitura. A direção procurou a polícia no sábado para comunicar que por volta das 18 horas do mesmo dia quatro homens ainda não identificados entraram no local após arrombar o portão principal, que estava enferrujado.

Depois, furtaram os brinquedos já embrulhados para o Natal, R$ 800 em dinheiro e uma caixa com panetones, que seriam oferecidos para as crianças perto das festas de fim de ano. O DVD roubado estava na sala de recreação da creche.

Essa foi a terceira vez que criminosos furtam a creche. Os outros casos sempre aconteceram em períodos antes do Natal. Por conta do episódio, a direção resolveu ampliar a segurança da unidade.

Ajuda. Na tarde de ontem, pelo menos outros três paulistanos manifestaram interesse em ajudar a unidade para fazer doações. Um deles foi Raymundo Magliano, do Instituto Norberto Bobbio. "É muita tristeza. A gente não aguenta receber uma notícia dessas", disse ele, se referindo ao crime. Magliano afirmou estar disposto a doar uma quantia em dinheiro para substituir a levada pelos ladrões.

A Secretaria Municipal de Educação afirmou que questões de segurança são de responsabilidade dos diretores da creche.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.