Monumento marca o início da numeração

O Marco Zero que está instalado na frente da Catedral da Sé, no centro de São Paulo, existe desde 1934. Até então, a cidade não tinha um monumento exclusivo para marcar o início da numeração das vias públicas e rodovias estaduais. Em 1921, o jornalista Américo Netto, integrante da Associação Paulista de Boas Estradas, lançou a ideia para marcar a centralidade com uma espécie de totem, como se fosse um miniobelisco. Ele recorreu ao artista francês Jean Gabriel Villin para os desenhos e concepção da obra. A ideia de Américo Netto, no entanto, só foi aprovada pelo prefeito Antonio Carlos Assumpção em 1932.

O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2012 | 03h02

Em forma de um prisma hexagonal revestido de mármore, o marco foi instalado na Praça da Sé dois anos depois. O monumento exibe um mapa das estradas que partem de São Paulo com destino a outros Estados. Várias figuras representam os destinos. Para o Paraná, o símbolo é uma araucária. O Mato Grosso é lembrado pela vestimenta dos bandeirantes. Santos é homenageada com um navio e o Rio é representado pelo Pão de Açúcar.

Por fim, Minas é homenageado por materiais de mineração profunda, enquanto Goiás é lembrado por bateia, material de mineração de superfície. Na parte superior ainda há a placa de bronze que representa os principais pontos locais, como os Rios Tietê e Pinheiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.