Divulgação
Divulgação

Mônica desaparece na Oscar Freire

Escultura, pintada pelo artista Lobo, faz parte de exposição de 50 peças personalizadas em homenagem à personagem dos quadrinhos

O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2013 | 14h55

SÃO PAULO - Em exposição na cidade desde a última sexta, uma das 50 esculturas da personagem de histórias em quadrinhos Mônica, do quadrinista Mauricio de Sousa, foi furtada na Rua Oscar Freire, nos Jardins. A escultura, pintada pelo artista Lobo, tinha sido instalada na altura do número 600 da rua na madrugada de sexta e desapareceu horas depois. Mas a notícia do desaparecimento só veio à tona nessa segunda-feira. 

A organização da mostra divulgou nota informando que o caso está sob investigação policial, registrado no 78º Distrito Policial de São Paulo.

Não foi o único crime cometido contra as esculturas, que foram espalhadas na cidade como forma de comemorar o 50º aniversário da criação da famosa personagem dentuça. Pelo menos três obras foram vandalizadas – todas já restauradas, de acordo com a Panini. A estátua exposta na Praça Benedito Calixto, na região central, foi alvo de pichadores. Uma suástica foi pintada na testa da personagem. Na Paulista, duas das seis esculturas instaladas ali foram pichadas. 

Exposição. As 50 estátuas da Mônica foram espalhadas por 35 bairros de São Paulo. Trata-se de mais uma ação para comemorar os 50 anos da personagem dos gibis, criada por Mauricio de Sousa em março de 1963. As esculturas são feitas de fibra de vidro e ficam sobre uma base de 25 cm. Uma foi pintada pelo próprio Mauricio. As demais, por 49 artistas diferentes - nomes como Rui Amaral, Hiro Kawahara e Danilo Beyruth, entre outros. 

A exposição a céu aberto vai até 8 de dezembro. Depois, 20 serão leiloadas - com a renda revertida ao Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) - e as outras 30 seguem em turnê, primeiro para o Rio, depois para Belo Horizonte. Os fãs podem acompanhar os bastidores da mostra pelo site www.monicaparade.com.br.

Mais conteúdo sobre:
mônicaoscar freire

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.